08 janeiro 2015

Aninha Albuquerque: Nas nuvens, rumo à final!


Nas nuvens, rumo à final!

O trem correu rapidinho na primeira temporada do Cozinha sob Pressão, e teve vagão saindo dos trilhos, teve enjôo, balanço descompassado, apito na hora errada, ou seja, uma bela de uma viagem com direito a muita pressão mesmo, y otras cositas más!

Episódio de 3 de Janeiro! Semi-final! Três figurinhas competentes pra disputar duas vagas, e convidados "da casa" julgando o primeiro desafio, que consistia em cada cozinheiro preparar pratos "do coração", escolhidos pelos juízes de antemão, num suposto email recebido por Carlos Bertolazzi. Os pratos eram Strogonoff de filé mignon, Escondidinho de carne seca gratinado com purê de batata, e Ravioli de massa verde com mussarela de búfala e molho de tomate. Os convidados eram Otávio Mesquita, Maisa Silva e Arlindo Grund, apresentadores do SBT. Como de costume nos desafios, foi dada uma hora e meia para os competidores preprarem os três pratos. Ah, sim! Os cozinheiros, ressabiados, não sabiam para quem eram os pratos, e cogitavam quem poderia ser enquanto preparavam a comida. Dessa vez, os três estavam bem cientes da praça de guerra que estava virando a cozinha, tamanha a zona que fizeram!

Ó o nervoso! Hora do vamos ver... Os cozinheiros descobrem quem são os convidados...
Grund já chega elogiando os olhos de Carol, dizendo que espera que o prato esteja tão lindo quanto... Tá bom, vá... Otávio Mesquita, todo "engraçadinho", pergunta se eles estão "com medinho", e diz que acha bom que fiquem... Ah vá, Mesquita... Qual é, fófi? Tá certo que o cara come em tudo que é lugar bacana, fino, conhece porque come, né? Mas me saiu tããão pentelho!! Minha nóóóssa!
Bom... Mesquita e Maisa escolheram pratos que as mamães preparam, Strogonoff e Escondidinho, respectivamente, e Grund escolheu o Ravioli que come em todo canto que vai em suas viagens. Aí é que residia a expecativa dos competiores: chegar perto do que foi pedido, acertar o gosto dos convidados. Arthur é o primeiro a levar os pratos para serem provados, seguido por Bia e Carol.
Os pratos ganhariam estrelas, que seriam somadas, e ganhava quem tivesse a maior quantidade.

OK, vejamos... Arthur ganhou uma estrela de Grund, duas de Maisa (os dois sentiram falta de sal nos pratos), e duas de Mesquita, que achou que a batata se assemelhou com a do prato que a mãe dele preparava. Bia recebeu três estrelas de Maisa e Grunt (os dois elogiaram muito o prato de Bia), e uma de Otávio Mesquita, que curtiu a apresentação, mas também achou que o creme de leite estava muito acentuado, e sentiu falta de sal... Ai gente, esse treco de faltar sal é uma coisa viu? Ou será que vale citar tem muita gente que quando não vê muito defeito pra criticar a comida acaba falando que faltou sal? Va bene, gosto é gosto, paladar é paladar, e cada um tem o seu, né? Carol recebeu uma estrela de Mesquita e de Grund, e três de Maisa. Mesquita achou que o Strogonoff de Carol tinha um goto totalmente diferente dos outros que ele já provou, e parece que não agradou muito... Aí disse que pode ter sido o molho inglês que pegou pra ele, mas... é como a Carol falou: normalmente as receitas de Strogonoff levam molho inglês. Vai entender, né? Maisa curtiu muito, achou que estava bem harmonizado (como cresceu essa guria hein?!), e Grunt achou que faltou queijo, que tinha pouco recheio nos ravioli.
Bia foi a vencedora, com o maior número de estrelinhas... O prêmio foi dado aos três cozinheiros no fim das contas: um vôo de helicóptero sobre a cidade de São Paulo. Weeeee! Lá foram os fófis pelos ares, o carequinha radical com pernoca pra fora, Bia empolgada, Carol um pouco medrosa, mas todos felizes, com direito a friozinho na barriga e tudo! Dava pra ver como eles curtiram o presente!

E de volta ao ofício, todos no lounge! 3 cozinheiros para atender um salão com 50 comensais, eita ferro! No menu do dia ia ter as famosas coxinhas de pato do Bertz! Yummy!!!
Os fófis se enturmaram com o menu, como sempre, e a preocupação geral era dar conta do tranco daquele serviço!
Reunidos na cozinha com o Chef Bertolazzi, os cozinheiros receberam a notícia de que eles é que se organizariam, decidiriam as praças, podendo se ajudar, etc. Dalí sairiam os dois finalistas do Cozinha sob Pressão, e o chef esperava nada menos do que um serviço perfeito naquela noite...
Restaurante aberto, pedidos chegando, agito na cozinha! Imagino só como é que os bonitinhos estavam se sentindo!

Carol já precisou da ajuda de Arthur e Bia logo de início, e não demorou para começar a meter os pés pelas mãos. A montagem dos pratos não estava bacana, e o ninho da moça foi comparada ao "chapéu do Chico Bento" pelo Chef Bertz! Hahahaha... Tava inspirado, o fófi, dizendo que não queria os nhoques quicando que nem bolinha de ping pong! Bia, segundo ela mesma, se virou, e virou "um polvo" pra dar conta do recado, errou a conta dos pedidos de risoto, e taca-lhe pau, corre que os clientes querem comer, bonitinha! Aí foi Carol quem ajudou. E como nessas horas de muita pressão, de ir pro racha, ninguém passa em branco, ninguém escapa de alguma caca, lá estava Arthur na sequência errando o prato de linguado; cada hora o peixe saía de um tamanho na montagem dos pratos, porque os filés eram de tamanhos diferentes, e dá-lhe o carequinha ligeirinho se virar em dois, três, até acertar! Na verdade parece que o fófi se atrapalhou justamente porque as gurias começaram a ajudar... Embolou o meio de campo, e toca voltar prato para montar de novo, até que Arthur resolve descartar a produção e começar do zero, Dessa vez a ajuda das moçoilas valeu, e as coisas saíram direitinho.

Destaque do episódio: o violinista amon Lima, da Família Lima, chega na cozinha para tocar o tema do Poderoso Chefão para os cozinheiros! Chique no úrtimo, gente! Música ao vivo para apaziguar os nervos da galerinha! Ah, eles merecem... Adorei, mas sou suspeita, capisce?? E que fofa a Bia chorando! Nhóóó...

Os competidores receberam aplausos do Chef Carlos Bertolazzi ao final do serviço, e a notícia de que a missão foi cumprida; aquele foi o melhor serviço do programa. UFA! Finalmennnnte! Bertz se disse feliz de ter os três alí disputando, e que quem estava sob pressão agora era ele, tendo que decidir quem eliminar...
Pausa pro Chef pensar, fófis reunidos no lounge de novo, cogitando quem poderia ter errado mais. Arthur pede desculpas às gurias por ter travado quando elas começaram a ajuda-lo. Bacana... Nas gravações dos bastidores, Carol era só elogios para a BFF Bia, que por sua vez considerava todos seus adversários, já que só um levaria o prêmio. O carequinha ruivo, por sua vez, reconhece que as fófis companheiras de competição mereceram estar na final, levando-se em conta todos os serviços desde o começo.

OK, de frente com o Chef, os cozinheiros ouvem suas considerações. Bertz dis para Arthur sobre a sua percepção desde o começo do talento do moço, da capacidade de gerenciamento, e também comenta que em um cento ponto achou que o excesso de confiança do cozinheiro poderia atrapalha-lo para ir mais longe no programa. O Chef fala sobre como a criatividade de Arthur pareceu dar umas travadas do meio par o fim da competição, mas diz que entende que o forte do carequinha é  cozinha clássica, e que naquele quesito ele é muito bom!
Para Carol, Bertz revela que não achava que ela ainda estaria na competição àquela altura, dissse que se perguntava qual seria o momento em que ele teria que manda-la para casa, e que esse momento nunca chegava porque ela sempre surpreendia. O Chef comenta que ela deve ter surpeendido a todos os colegas, convidados importantes do programa, críticos, e ao Brasil inteiro. Verdade, concordo com Bertolazzi! A Carol se revelou um grande talento na cozinha, e não apenas uma confeiteira de mão cheia.
Na vez de Bia, Bertz comenta sobre a eficiência da moça, a capacidade de dar conta de muita coisa, várias tarefas ao mesmo tempo, chamando-a de maquininha. O Chef diz que ela é criativa, faz pratos lindos e muito saborosos.

Nas considerações finais, Bertz diz não saber dizer quem foi melhor, nem quem foi ou se houve um pior, pois viu um time, que eles se ajudaram, estavam mais preocupados em fazer um bom serviço, e conseguiram, mesmo com alguns deslizes.
Querendo fazer a eliminação de uma forma rápida e indolor, ele chama Arthur e lhe dá os parabéns por continuar. Eitaaa! Pode respirar Arthur! Aí ele chama Carol, e já está meio óbvio que é ela quem vai pra casa... Bertz pergunta a Bia o que Carol significa para ela após comentar sobre a amizade delas. Elogios, elogios... De Carol para Bia também. E chegou a hora de separar as amigas, manter quem está mais preparada para fazer um serviço completo além de pratos bonitos e criativos, alguém que possa disputar o prêmio com Arthur. Bertolazzi pede para Bia se despedir de Carol, já que é Bia quem fica na disputa.

Ta-dáááá!!!

E aí gente?? Eu curtí, e vocês?? Bia e Arthur vai ser páreo duro! Os dois mandam muito bem, são talentosos, e têm uma gana danada de vencer! AFFFF!!! Essa final promete!!

Que peninha, já tá terminando... já tô com saudades...
Então agora é assistir e torcer, né? A gente se encontra por aqui na final!
Beijinhos, e até já! :)

- Aninha Albuquerque


0 comentários:

Postar um comentário

Regras para comentários: http://votalhada.blogspot.com.br/p/comentarios-regras.html