23 abril 2018

O que faltou dizer de Gleici, por Luis Lima


Um tributo à Gleici,
a menina sorriso campeã do BBB-18

Como diz a canção sobre o Ser Gleici:

“Ando devagar porque já tive pressa
e levo este sorriso, porque já chorei demais.
Cada um de nós compõe sua história e
cada ser em si carrega o dom de ser capaz.
É preciso amor para poder pulsar
É preciso paz para poder sorrir
É preciso a chuva para florir”

Gleici é e foi isso no BBB-18. No começo, odiada, desdenhada, discriminada, por ser petista, pelos segmentos de direita, pelos moralistas políticos de goela, pelos haters racistas que a chamaram de macaca petista, enfim por uma transferência de ódio político a uma moça que não fez mal a ninguém na casa nem aqui fora. São pessoas que não sabem o que é uma luta política contra a opressão do sistema da exclusão social.

Gleici nunca foi vitimista ou se autovitimizou, mas foi vítima sim, do complô do G-7, da indiferença de Lucas e Jéssica na primeira semana, deixando-a sozinha na mesa, sem ter voz acolhida, mas que encontrou uma irmã de coração, Ana Clara, que a adotou, melhor, elas se adotaram, levando Gleici como suvenir, o pai postiço Airton.

A amizade entre Ana Clara e Gleici foi tão verdadeira, tão cristalina, que amor delas duas incomodava os gamers da casa, os tais jogadores frios, calculistas de uma matemática contábil iníqua de querer eliminar o adversário pelo jogo sorrateiro, oculto, clandestino do G-7. Os medrosos de paredão. O vale tudo para escapar do julgamento do público.

Mas o que fez Gleici conquistar o público maior? Acredito eu que a sua verdade humana, sem ser fake, sem ser over, sem ser caricata. Ela se apresentou assim: “sou tímida, falo pouco, mas sou humana, sou coração”. E a planta floresceu no jogo devagarzinho, construindo a sua história junto com Wagner, mas, sobretudo, junto com Ana Clara, que merecia o segundo lugar. E a flor amarela surgiu no jogo com o retorno à casa dos sete gamers calculistas em que o deboche deu a tônica de vosso comportamento.

Se fosse enumerar aqui os deboches e as discriminações que Gleici sofreu pelas costas, dos adversários, seriam estes:

Ana Paula: “Ela não é a mulher brasileira, é acreana. No Acre tem 60 Gleicis.”
Nayara: “Eu tava muito afim de dar um soco na cara dela.”
Lucas: “Dona e proprietária de cama (deboche).”
Patrícia: “Vou esfregar (a vagina) na cara dela, pra ver se ela gosta!”
Diego: “Gleici não tem a mesma capacidade intelectual que a gente.”
Caruso: “Mãozinha de bosta do caralho.”
Viegas: “Vontade de falar que não vai pegar nenhum ovo, e jogar tudo no chão.”
Jéssica: “É uma questão de berço.”

Isso mostra a mentalidade de uma classe média soberba no Brasil, mesmo uma fração da classe média baixa que pensa que é burguesa sem nunca ser. Porque sua mentalidade é pequeno-burguesa e sua visão de mundo é a visão elitista da vida. É a ideologia da meritocracia desumana neoliberal que povoa o pensamento dela.

Se Gleici era vista como uma planta, porque não conseguia se enturmar com pessoas da classe média soberba, é porque sua humildade humana se antagonizava com a empáfia de Diego, a falsa bondade de Patrícia, a petulância da bruxinha, a agressividade ogra de Caruso, a indiferença de Viegas e  a sutil boçalidade de Jéssica.

Mas Mara, Mahmoud, Paula e, sobretudo, Ana Clara e papito a acolheram na relação que se ampliou com a paixão de Wagner. Talvez uma paixão pelo ser humano Gleici, pelo ser feminino diferente.
Gleici é militante, é de luta, logo foi politizada no processo da luta e não por revistas ou jornais patronais que editam os fatos ao bel prazer de seus interesses ocultos. Ela sabe da dificuldade da luta dos pobres de se organizarem e se conscientizarem da sua condição histórica de exploração e opressão no mundo. Não foi à toa que gritou “LulaLivre”. Não é agente passiva do telejornalismo brasileiro familiar. É crítica da imprensa oligárquica. E se defende a inocência do Lula, não é do nada. Porque há divergências jurídicas sobre sua condenação por vários juristas brasileiros e estrangeiros. Mas não vou falar de política aqui, porque perderia o foco.

A diferença entre Gleisi e Kaysar é apenas uma: ela foi ela mesma, verdadeira, na sua meiguice, na sua doçura com quem merece, mas também foi incisiva com quem lhe atacava, como as ironias de Caruso e os sofismas filosóficos de Diego. Kaysar foi um pantomima, um ator de rua, que fez caras e bocas, caretas, piruetas, frases de efeito, sem ser ele mesmo de verdade, porque ele camuflava sua revolta interior que se manifestou num grito violento contra Airton: “sai, sai, me deixa.” No final do jogo, jogou. Quando a liderança era prêmio de carro, Kaysar se esforçou como nunca, divergindo de outras que não davam nada, isto é, saindo rápido das provas de resistência. E ao ser emparedado se contradisse, porque no banheiro disse: “se eu sair, quero que vc ganhe”. Mas quando foi vencido por Gleici na final, disse: “eu não disse que vc tinha que ganhar”. Não. Você não disse isso, Kaysar. Vc disse que se vc saísse antes, ela tinha que ganhar, mas não com vc na final. Pior, no jogo maratona BBB, Kaysar mostrou sua verdadeira face, a máscara de bom moço caiu, quando debochou de Airton, a ponto de Airton dizer: “eu estou vendo agora um outro Kaysar: debochado e arrogante.”

E o que dizer de Ana Clara? Uma menina linda, sem preconceitos, sem ares boçais, do tipo classe média que se acha burguesa. Uma menina solidária com os mais pobres e doentes. Não é à toa que faz seu papel social, visitando crianças doentes nos hospitais como doutora do sorriso. Ela e seu pai sim, mereciam o segundo lugar. Por sofrerem as maledicências da internet por causa de uma bitoca; pelo falso moralismo puritanista de muitos que chegaram a insinuar incesto entre os dois etc. Clara é tão bem resolvida, tão de bem com a vida, e agora que completou, digamos, a maioridade, vai longe no seu amadurecimento humano.

E para finalizar, BBB não é jogo para caricatos, gamers de internet, filósofos arrogantes, preconceituosos de classe, falsas princesas, estrategistas burros que só jogam para dentro da casa, esquecendo conquistar o público. BBB é um jogo de relação verdadeira de um com o outro. Um jogo de conquista de corações humanos. E Gleici não precisava falar muito para dizer quem era. Seu sorriso com olhar lacrimejante, sua voz suave e doce e sua expressão corporal por si só já falavam dela mesma. Venceu porque foi verdadeira, sem usar artifícios teatrais para se fazer visível no jogo. 

Ela não foi berro ou grito non sense, mas sorriso da alma que cativou o nosso amor e carinho por ela.

E assim a Simplicidade venceu o preconceito, o racismo e o ódio político-ideológico.




Frank Killer: Ana Clara-Ayrton (Terceira colocação no BBB18)


Ana Clara-Ayrton
(Terceira colocação no BBB18)



Ana Clara foi a campeã moral (e sozinha) e ainda por cima carregou o pai mala nas costas, seu maior adversário. Ela poderia  e foi punida pela Audiência, apesar de ser a grande merecedora de levar a vitória. Agora mais experiente, poderia muito bem ser convidada para participar de uma futura edição.


Não falarei do pai aqui, porque ele nada fez para merecer o prêmio de terceiro colocado, a não ser fazer um joguinho falso de aproximação com os demais concursantes e só saber falar de jogo. Estes foram os motivos de ter sido rejeitado pelos demais no início e nunca foi realmente benquisto, com os demais apenas suportando-o. O "Grudão" é realmente grudento e puxa-saco.


Ana Clara mostrou ter sido abençoada com todos os atributos que fazem dela uma ótima concursante. É inteligente, animada, divertida e dona de um fino humor. Na flor de seus 20-21 anos é baladeira sim, mas uma baladeira de classe. Só quer se divertir e desfrutar sua juventude enquanto não precisa projetar uma família própria estável. Ela se diverte com os errados enquanto o cara certo não aparece.

E está certíssima, mas o pai anacrônico pensa que vai conservar seu bebê para sempre. Chegou a hora da garota alçar voo sozinha e seus pais não devem continuar segurando mais do que já a podaram. Cada qual dirige sua família do jeito que quer mas é preciso um mínimo de autocrítica para perceber que os filhos já são adultos quando o são e isto não se conclui com nossos desejos, mas com a contagem dos anos.

Quando você não libera seu filhote do ninho, ele nunca vai voar por conta própria e construir seu próprio ninho e, isto é castração ou egoísmo. Você pode estar construindo um boêmio ou boêmia que vai ter uma vida desregrada apesar de seus esforços, cuidados e preocupações.

São por estas razões que existem muitos solteirões e solteironas ou pessoas que não conseguem encontrar sua metade da laranja ou confiar seu coração a um parceiro ou parceira para erigirem uma família sólida.


Será que a Ana Clara terá a clarividência de enxergar seu caminho solo se continuar sendo podada pelos pais? É muito difícil e, o desejo de liberdade pode se transformar em revolta e procurar não seguir o exemplo dos pais, cuja obrigação de criação e educação terminou tarde demais ou nunca terminou. Ana Clara é filha única e há uma grande chance disto acontecer.

Talvez teria sido melhor não ter vencido chegado à Final, porque isto pode constituir-se em mais uma amarra para atrelá-la ainda mais a uma dependência dos pais.

Foi mais que merecida a sua colocação, mas em nada contribuiu para isto o pai. Muito pelo contrário, ele até atrapalhou. O egoísmo e a ganância dele pode vir a ser a causa de uma ruptura dramática nos laços familiares.
Ela é uma jovem ainda saudável, mas pode se estragar com o vício da bebida, cuja causa pode ser justamente a poda que vem sofrendo sob o jugo familiar, incluindo o da própria ânsia de liberdade que ela julga que o álcool pode lhe dar. Beber no caso dela, pode ser um "pedido" surdo para ser liberada e tratada como adulta, que ela já é.Seus valores morais foram sobejamente demonstrados no confinamento e só o que lhe falta é ser tratada como adulta, única coisa que a impede de se comportar como adulta em algumas ocasiões.


AC é inteligente, nobre, gentil, franca, verdadeira, justa, liberal, honesta, leal e fiel mais do que todos os demais concursantes e o galardão de campeã lhe caberia com precisão cirúrgica. Em nenhum momento foi fake ou fez VT, a não ser que consideremos VT seu rebolado no funk e no pancadão, que é muito sensual e interessante, mas que é resultado de ser baladeira!

Apesar do Ayrton não merecer estar na Final deve agradecer, e muito, ter estado nela graças à sua iluminada filha!

Os parabéns do Votalhada e pessoais meus são devidos à Ana Clara pelo muito que contribuiu para o brilhantismo desta edição 18 do BBB, que não lhe fez a devida e merecida justiça, uma das poucas temporadas em que os mais preferidos pelo público fizeram o trio Final, embora um deles (Kaysar) não foi um dos 3 maiores merecedores em minha opinião pessoal.



"Luis Lima 20 de abril de 2018 18:20
Há controvérsias jurídicas... Ayrton hoje no Maratona BBB disse a Kaysar: agora estou vendo um outro Kaysar debochado e arrogante. Ana Clara: respeite meu pai, vc nunca o debochou dele dentro do programa. Ver vídeo."


"Kododis Blair 20 de abril de 2018 14:48
A Gleice era a segunda opção da torcida da Ana Clara e vice-versa. Isso é tão óbvio que nem deveria ser explicado."


Realmente não precisa. LOL.


"Ginacroce 20 de abril de 2018 11:20
Frank, lembrei dos primeiros dias do Kaisar na casa quando não queria falar sobre a Síria e imaginávamos que tinha um medo terrível das consequências que isso poderia trazer aos seus pais, que ainda estavam lá. Mas, só que não???? Talvez não pudesse falar simplesmente porque seu tio é cônsul daquele país.
Torci muito pela Ana Clara, mas muitos BBBs que não foram vitoriosos tiveram grande sucesso aqui fora. E Ana possue uma voz linda, né? Talvez sua grande vitória esteja por acontecer. Abraços Frank, parabéns novamente pelos textos mostrando os brothers sem máscaras e incomodando tanta gente rsrs.

    Coralina 20 de abril de 2018 12:52
    Ginacroce , eu também torci por Ana e virei fã ! Com certeza tem talento para fazer sucesso em qualquer profissão .Seu caminho terá de muita luz sempre. Sucesso Ana Clara ."


Uma das minhas funções aqui é mostrar quem pisa na bola em RS, não importa se são artistas, funcionários de governos, diplomatas, professores, poetas, escritores, celebridades, refugiados, imigrantes ou parentes de cônsules. Se entrarem em um Reality, é para serem julgados e não podem chiar. Acho que a Ana Clara tem futuro e só precisa se libertar desse pai mala. Ela já tem maturidade para voar sozinha.

Também fiquei receoso a princípio de expôr membros da família dele [Kaysar] no Brasil e na Síria, Ginacroce. Mas depois que percebi que estava encarnando um personagem, raciocinei que a culpa seria dele, por ganância de dinheiro. Também não fazia muito sentido estar literalmente se divertindo em um Reality enquanto a família estaria em perigo em um teatro de guerra.
Ana Clara foi uma grata surpresa. Jamais imaginei tanta maturidade numa menina-mulher de 20 anos. Ela mostrou ser muito mais madura que o pai e do que todos os demais, incluindo a Jaqueline, que se diz mulher e não sabe o que é isto.
É preciso que certas mulheres saibam que parir filhos e ter bom desempenho em uma cama não é ser mulher, ou melhor explícito, não é só isto. Conta muito o que se tem por dentro, o conteúdo, e não apenas por fora, a embalagem!


"andrea Almeida 20 de abril de 2018 11:51
Adorei ver a Gleici campeã.mais fico triste por Ana clara ter sido tratada muito mal pela edição ele sempre esteve do lado da Gleici.eles colocaram como se os que trataram a Gleici com preconceito e muitas vezes racismo estive torcendo por ela o que seria da Gleici sem a GLEICIANA.Fora o desrespeito com a Ana clara no vídeo com o breno,mesmo sabendo que ele fez um vídeo com um amigo debochando da Ana clara"


A torcida GLEICIANA é "dez, nota dez", Andrea. Também tive a impressão de que a Direção não queria a vitória da Família. Seria um tiro no pé, tendo em vista o açodamento deles em transformar o RS em um jogo frio e calculista. Basta ver como endeusam vilões como Viegas, Caruso, Diego e muitos outros mais.


"Daniel G. 20 de abril de 2018 13:53
Pelo que pude acompanhar por alguns comentários daqui, a torcida do Kaysar foi a mesma que torceu pelo Marcos na Fazenda. A parte mais irônica disso é que eles criticavam a Flávia por ser vetezeira e, no entanto,torceram para o maior vetezeiro desse BBB. kkk"


Também percebi isto, e desde o BBB17.


"Ana Lucia Alves 20 de abril de 2018 15:38
Frank Killer, texto brilhante, só tenho a dizer que ganhaste uma fã incondicional."

Obrigado, Ana Lucia. Você é gentil.



Agora o Kaysar não depende economicamente de mais ninguém para trazer a família para o Brasil. Vamos aguardar para ver o que fará. LOL.





22 abril 2018

O que faltou dizer de Leifert e BBB 18, por Acioli


Chegou a parte que eu mais gosto de analisar, a edição em si. Pena que este texto sempre é o último, e assim que acabo de escreve-lo, já começo a morrer de saudades. 

Vou falar primeiro do apresentador mais fofo do mundo. #TiagoLeifert

Do ano passado pra cá houve uma mudança significativa na sua forma de conduzir o programa. 

Ele ficou mais seguro, mais descontraído, mais falante e mais abusado também, lol. 

A quarta parede parece que foi finalmente quebrada, e a comunicação entre apresentador e brothers foi diferente de tudo que a gente já tinha visto até então no BBB. 

Dizem que ele interferiu demais e foi responsável por mudanças de comportamento, baseadas em suas dicas.

Bom, eu acho o Titi tão simpático e carismático, que mesmo disposta a me aborrecer com ele, não consigo, ele é querido demais. 

E entre a moderação cansada e mau humorada de Bial e o frescor de Titi, com esse jeitão acessível e divertido, totalmente diferente da fleuma de pompa e circunstância do antecessor, fico com Leifert, sem dúvida nenhuma.  

Seus discursos de eliminação óbvios, em contraste com os enigmas de Bial, reforçam a distância em anos luz que separa o estilo de um, do outro. 

Sem dúvida nenhuma a condução leve de Leifert trouxe um novo olhar da audiência para o programa, e novos fãs. Eu me tornei fanzoca de carteirinha. Já estava farta da má vontade de Bial. 

Um programa que está na grade há 16 anos, tem que evoluir para manter o interesse, e Leifert é parte muito importante dessa evolução necessária.

E com seu carisma gigante, é o brother que vai deixar mais saudades. 


E agora, a melhor parteee, falar do grande espetáculo que foi o BBB18!

Para quem não sabe, o termo Big Brother vem do livro 1984, escrito pelo visionário George Orwell em 1949. 
Trata-se do que pode ocorrer com uma sociedade altamente vigiada por um governo totalitário, quando esta vigilância transforma-se em mecanismo para controlar as pessoas. 
O olho do Estado que tudo via, chamava-se Big Brother. 
Transferindo este conceito para o jogo, Big Brother seria então a audiência que controla o destino dos brothers, apesar de ser frequente e equivocadamente, relacionado com o diretor do programa.

E este BBB foi inegavelmente controlado pela audiência. O Grande Irmão onisciente e onipotente que tudo vê, tudo sabe e tudo controla. 

Não me lembro de outra edição em que as enquetes acertaram quase que os décimos das porcentagens, em todos os paredões com exceção de um: a escolha dos integrantes da Família Lima. Que era claramente uma aposta do diretor desde o início. Mas ele abandonou essa ideia quando a internet começou a pipocar com os questionamentos sobre a legitimidade de um concursante que valia por dois, e então deixou o jogo seguir seu curso natural, sem interferências diretas nos resultados dos paredões.

E esta edição foi, na opinião da grande maioria, a melhor dos últimos tempos. 

Mas este elenco muito eclético poderia ter nos rendido momentos ainda melhores, se o grande articulador Diego tivesse permanecido mais tempo. A audiência analisa e elimina, sem pensar no enredo do jogo. Livro em que o vilão morre nos primeiros capítulos, por acaso estimula a leitura até o final? Pois é. O mesmo acontece no game. Os conflitos são muito necessários, inclusive para definir favoritos, que são escolhidos de acordo com suas reações ao conflito em questão. 
Se não houver disputa, estratégias e alianças, torna-se mera Colônia de Férias. 

Mas nunca antes na história desse game houve tantos vilões numa mesma edição, e que foram caindo um a um numa queda livre e vertiginosa comandada pelos dubem.

E a história real de cada um, para destacar o coitadismo que as torcidas são obcecadas em fazer, virou contos de fadas.

Esta edição foi marcada pela pegação e pelo troca troca. Atitudes que a audiência não espera, uma vez que é sabido e notório que o público não perdoa deslealdade. Mas desta vez, essa deslealdade toda não teve a menor importância.  

Breno beijou Ana Clara, Jacqueline e no final ficou com Paula. Kaysar caiu nas garras de Patrícia, depois de xavecar Ana Paula e antes de mirar em Jéssica, que por sua vez assediou Lucas com tanta determinação, que ele perdeu a noiva e a estadia na casa, e depois partiu para Kaysar. Paula, que deu em cima de Caruso e de Wagner, o qual ficou com Gleici, e finalmente ficou com Breno, que era o crush da amiga. Ufa! E tudo isso resultou em vários endredonings de DJs em festas Feat.

Houve concursantes para todos os gostos: a fadinha que encantou com pó de Pirlimpimpim, o pescador de ilusões que arrebatou corações, a Família que dividiu as opiniões, a atleta fria e focada, o grande pegador dos peixes que caíram na rede, os vilões de cuecas, divididos em general estrategista, ogro sensível, aquele namorado que foi sem nunca ter sido, e um rapper debochado. Além de uma bruxa sem vassoura, uma vilãzinha que caprichou na vilania, um noivo inspirado em Taubaté, uma princesa sem coroa, um sexólogo passional, uma gostosona que não disse a que veio, uma jornalista enfadonha e preocupada com a vida dos outros, e finalmente uma cientista política que defende bandido na política. 
Com um elenco destes, não tinha como dar errado, lol.

Esta edição também teve participações especiais impensadas. Uma noiva que não se inscreveu e teve uma torcida maior do que o noivo que estava lá dentro, e que depois virou ex noivo.
E uma mãe hilária, que fez aqui fora um jogo muito mais divertido do que o que seu filho fez lá dentro.

Mas houve tanta interferência das torcidas, que conseguiram até mesmo concretizar o inacreditável e inédito pedido de migração da torcida de um grande favorito para o outro, na final, deixando o seu próprio com meros 3% de aceitação! E tudo apenas para tirar a vitória de outro grande finalista. Surreal!
Bom, para essa torcida eu digo o seguinte, se algum dia por acaso eu entrar no BBB, por favor, não torçam por mim.  

Esse jogo paralelo entre as torcidas, que este ano foram especialmente cruéis e belicosas, até chegar ao cúmulo das brigas entre elas serem muito maiores do que as tretas entre os brothers foi péssimo e me arrisco a dizer que a tendência é piorar. A cada ano que passa a intolerância, em todos os setores da sociedade, cresce vertiginosamente. 

Teve gente que inclusive, para nossa tristeza, deixou de comentar aqui no blog, e não foram poucos, justamente por causa dessa torcida insana que não sabe debater saudavelmente, que parte para o ataque. 
E outros foram tão cegos e passionais defendendo seu favorito, que deixaram de comentar porque suas opiniões tão parciais eram sempre contestadas. 

Uma pena, porque o BBB dura só tres meses, e apenas se eles se destacarem aqui fora, serão lembrados daqui a algum tempo, mas nós, que amamos o BBB, estamos aqui todos os anos.  

O BBB18 foi simplesmente demais, mas o BBB19 promete ser ainda mais. E aposto que você não vai querer ficar de fora. Pensa nisso.

E para encerrar este período tão intenso de convivência lá dentro e aqui fora, deixo minha gratidão por trocarem suas impressões comigo, e um grande e apertado abraço carinhoso. 

Aos queridos amigos que infelizmente estão afastados, aos que estão presentes, que são tantos que nem me arrisco a listar sob pena de esquecer alguém, e aos maravilhosos comentaristas oficias do blog e soberano Boss, deixo também minha saudade anual, que já é enorme!

E coloco essa imagem que vale mais que mil palavras para ilustrar o tamanho da emoção que dominou nossos corações. 


Na torcida por mais uma edição sensacional! 

Até 2019, pessoal!




Frank Killer: Kaysar (Vice-campeão do BBB18)


Kaysar
(Vice-campeão do BBB18)




Gleici merecia ganhar, tanto quanto Ana Clara, mas a carioca teve que enfrentar um concorrente extra: seu próprio pai. Sua terceira colocação serviu para uma boa causa. Não restou dúvida que AC era disparada a melhor, mas a Audiência achou melhor punir o pai, mesmo sendo injusta com a filha. Dessa forma evitou-se que um vilão, que já despiu seu personagem, viesse a ser o ganhador do RS, enxovalhando para sempre uma galeria de vencedores já combalida por uns dois ou três  anteriores.

Só o fato de ter ficado 43 horas em uma prova de resistência, recorde absoluto em BBB, contra um indivíduo fisicamente muito mais preparado já conferiria méritos à Ana Clara. Mas, pelo visto, a Audiência não considera méritos a vitória ou desempenho em provas para vencer o Reality, o que está correto!

O que não seria correto é dar méritos somente a um dos dois que lutaram tantas horas por causa principalmente da imunidade e levando em conta que ele já leva dois carros na bagagem. A Direção do RS errou ao dar a imunidade a apenas um dos empatados na prova e de obrigá-los a decidirem entre eles quem seria o bafejado.

A par do fato de o Kaysar não ter ficado imune, não se justifica culparem somente a Ana Clara por esta decisão em consenso entre os dois e, se não foi isso, só pode ser pela vontade de trazer uma família de refugiados para o Brasil, o que considero incorreto, porque a finalidade da premiação não é e nunca foi fazer caridade, assistencialismo ou filantropia.

Kaysar foi um personagem que não é ele aqui fora e já passou a mostrar aqui fora quem é ele realmente em atitudes, conforme ficou demonstrado na Maratona BBB desta sexta-feira (20).

Kaysar é um cara astuto e está longe de ser inocente e, graças a esta astúcia, logrou chegar à Final e ficar em segundo lugar imerecidamente. Teve um comportamento oscilante, vil e canalha. E uma manifestação de possível preconceito (xenofobia), parece ter atraído a atenção em sua defesa e aumentado o seu favoritismo. Ainda bem que não foi o vencedor da edição.

Após 4 anos no Brasil, ele não pode mais ser considerado refugiado, mas imigrante. O mesmo status pode ser concedido à sua família caso ela queira e, as coisas nesse sentido seriam muito fáceis, tendo em vista que um cônsul da Síria no Brasil é provavelmente parente da família do Kaysar. Nem seria necessária a intervenção da ONU nessa questão, a não ser que seus pais ou um deles sejam funcionários do governo sírio. Aliás, que poder tem a Globo junto à ONU? Estranho isso...

Dizer que quer trazer a família para o Brasil é muito diferente de realmente querer ou poder fazê-lo. Podem existir muitas razões para isto não se concretizar, a começar do fato da família na Síria não querer ou não poder devido à posse de bens e propriedades lá, caso existam. Ou por se julgarem em segurança lá ou talvez por estarem protegidos de alguma forma não revelada pelo Kaysar, ao contrário dos temores (fakes?) dele.

Como o cônsul pretensamente parente deles aqui no Brasil, seus pais (do Kaysar) podem estar ligados ao governo de seu país ou serem funcionários (seu pai pelo menos) do Estado. O próprio Kaysar pode estar ligado ao consulado de seu parente aqui de alguma forma. Porquê foi mais fácil trazerem o Kaysar e não a família dele? São perguntas bem embaraçosas e muito provavelmente não foram dificuldades econômicas! Com um patrimônio 4 vezes maior que o prêmio máximo do Programa qual é o empecilho econômico para trazê-los?

A única coisa que aprovo em relação à segunda colocação obtida por ele é terem tentado prejudicá-lo através de preconceito. A Produção sabia que isto poderia acontecer, como também sabia que atrelar um vilão à filha causaria "incêndio ou fogo no parquinho" (como eles cinicamente gostam de falar). isto só seria justo se todos os demais tivessem também um familiar atrelado.

Na verdade, perderam uma grande chance de serem justos. Bastaria manterem para a casa a formação de Paredões simples e, na votação do Público, tornarem-nos triplos caso a Família estivesse num destes Paredões que os concursantes julgavam ser simples, com a possibilidade de eliminar um dos membros da família de acordo com as preferência do Público ou o terceiro emparedado.

Minha consciência não me permite julgar que a decisão da Audiência foi justa, mas foi levada a isto por maquiavelismo da Direção do Programa, como sempre.

Por estes motivos não terei que dar meus parabéns pessoais ao Kaysar por estar na Final e por ganhar um segundo lugar que pertenceria a outro ou a outra, pelo pouco que o sírio contribuiu para o brilhantismo desta edição 18 do BBB, uma das poucas temporadas em que os mais preferidos pelo público fizeram o trio Final, embora ele não seja um dos 2 maiores merecedores da classificação obtida, em minha opinião pessoal.

Na verdade, este resultado foi em minha opinião, um protesto pela xenofobia que se manifestou e um protesto contra a Direção do Programa por ter dificultado propositalmente o julgamento sobre a melhor pessoa em favor do jogo puro, favorecendo um jogador pífio (de uma maneira evidentemente disfarçada), porque se fosse um jogo evidente como o dos combinadores de votos, o Kaysar teria sido eliminado inapelavelmente antes da Final.

De fato o Kaysar chegou a participar de uma combinação de votos, mas o julgaram "inocente" e ter sido enganado em sua "boa fé"! Me engana que eu gosto. LOL.




"Ricardo Ferreira Paizan 19 de abril de 2018 19:27
Frank Killer! Parabéns pelo texto! E obrigado pelo presente!

Unknown 19 de abril de 2018 19:23
Ana Clara enxergou isso desde o começo do programa
"


AC foi a primeira a perceber que o Kaysar era fake, o que explica ter sido muito rejeitada por uma parte da torcida dele nas enquetes, justamente a parte podre e que não sabe analisar pessoas.

Obrigado, Ricardo. Quase todo o post foi baseado no "link" que se encontra como rodapé da foto frente ao "banner" do ditador sírio, que também se encontra no endereço postado. Encontrei este "link" pensando em você.

Desde que notei que as preferências de AC e Gleici somadas ultrapassavam 50%, tive certeza que o Kaysar não ganharia. Se ele fosse para um Paredão contra uma das duas ou ambas, seria inapelavelmente derrotado e, as torcidas delas eram muito unidas. Um abraço.


"Akissa Emily 19 de abril de 2018 19:43
Oi Frank, vc entendeu tudo errado. "Foi um gol de anjo, um verdadeiro gol de placa", absolutamente referia-se a Kaysar, mas à sua fleuma. Vi uma reação hoje do Kaysar ao "descobrir" que seus pais estão vivos, que faz-me pensar que esse rapaz é muito mais do que um jogador. O tio é cônsul, mas é a produção da globo quem descobre o paradeiro dos pais... K passa três meses confinado sem saber se os pais estão vivos ou não em função de uma guerra, esbanjando alegria, é isso? Olha, Dhomini, Max, César Lima foram jogadores, porém se esse choro de hoje ao descobrir que a mãe está viva for dissimulação, posso dizer sem medo de errar que estamos diante de uma personalidade psicopática, e isso não é brincadeira."


Entendi corretamente, Akissa. Apenas aproveitei o "gancho" para aduzir algumas dúvidas minhas relativas ao Kaysar, utilizando um trecho do texto de Fábio Garcia do msn, que você pode ler no "link" postado abaixo da foto no Moleskine. Obrigado pelo "[fleugma]" (errata aplicada para o sentido figurado). LOL.


"Ju 19 de abril de 2018 20:51
Nossa ...que devaneio em Senhor kaisar merece esse premio ,afinal o BBB e oque ...Acredito q seja um jogo ..e vence quem melhor joga ...que seja participativo Colaborativo enfim que Viva o Jogo com Intensidade ...Atributos esse Que sua Favorita Greice nao os tem ...Quem e G ah.... aquela moça que Comia e Dormia ....Assim e fácil......ksksksksks

    Akissa Emily 19 de abril de 2018 21:20
    GLEICI, é assim que se escreve. G é aquela moça q sozinha mandou Patrícia pra berlinda e essa vazou com rejeição; G é aquela que por conta disso mudou a dinâmica do jogo e hoje temos essa final; G é aquela que entrou no jogo sendo quem ela é, da mesma forma que eu sou quem sou e vc é quem é, sem plásticas, máscaras, ou roteiro preparado; G é aquela que não lavava louça pq sabia q era essa a única coisa que delegaram a ela, e ela disse não; Vc gostaria de ter ao seu lado alguém com defeitos, mas transparente ou alguém q não a deixaria tranquila ao dormir, por simplesmente não saber quem é a pessoa que está ao seu lado? Procuremos ver além da imagem e bora votar!"


Tem gente que só quer ver jogo, jogo, jogo e mais jogo (e também barracos e brigas). Pois não se dão conta de que esta é uma das razões da violência social em que estamos vivendo.


"Jones 19 de abril de 2018 21:19
Sobre estrangeiros ganharem reality: você não mencionou que a ex-BBB Kelly (mineira) venceu uma das edições de "A Quinta", espécie de A Fazenda de Portugal.

    rodrigo neto 20 de abril de 2018 01:40
    Mas em compensação, um brasileiro foi eliminado no BB UK justamente por não ser do país... E a gente aqui pagando pau pra gringo"


No momento estamos falando do BBB8. Não tenho tempo disponível para ficar pesquisando a presença de brasileiros em RSs estrangeiros. No Gran Hermano da Espanha e em outros RSs pelo mundo já houve a presença de vários brasileiros ou de origem brasileira. Talvez esta postagem satisfaça aos anseios do Jones: http://votalhada.blogspot.com.br/2016/01/frank-killer-kelly-campea-de-quinta.html


"Lucas A 20 de abril de 2018 00:28
Concordo!! Minha favorita era Ana Clara, fico me perguntando o que teria acontecido se ela estivesse disputando sozinha...
De qualquer forma, achei o resultado muito justo! Gleici mereceuuu!! Quanto ao Kaysar, nunca entendi esse favoritismo grátis desde a primeira semana...

    Akissa Emily 20 de abril de 2018 00:54
    Não sei Lucas, acredito que o Airton foi o pano de fundo para que as qualidades de Ana Clara pudessem ficar em evidência, tamanha a disparidade entre os dois.

FOCO NOS FAKES 20 de abril de 2018 00:43
Frank Killer ! quase cheguei ao orgasmo com seu texto. Parabens. Ana Clara se tivesse sozinha ela teria levado com 80% no minimo. Mas a luta nas redes sociais para que Gleici fosse finalista e talvez campeã foi grande, mas valeu a pena.

    Ricardo Ferreira Paizan 20 de abril de 2018 01:47
    Como o próprio Frank Killer postou em "Frank Killer: Ana Clara-Ayrton x Paula", na seção "Curiosidades", concordo que a melhor companhia para a Ana Clara era a mãe Eva. Quem acessar "Pesquisa FINAL Família Lima (21:30) | BBB18" (neste Votalhada), verá que existia a possibilidade de que as 2 (duas) entrassem no programa."


Thanks, FOCO. Em minha humilde opinião AC ganharia se estivesse concorrendo sozinha, estando presente ou não o pai ou o primo Doda. A Eva seria um bom reforço para formar um trio imbatível com a Gleici (shippadas como Glaneva ou Glevana). Ayrton seria eliminado na primeira leva, se os membros da Família estivessem concorrendo individualmente.

Não ficaria surpreso se descobrisse que a permanência do Ayrton fosse obra da Direção do Programa ou da torcida do Kaysar. Ana Clara (44,26%) e Ayrton (23,84%) foram os vitoriosos no primeiro Paredão (da Família Lima). Eva (21,24%) e Jorge(10,66%). Note que Eva ficou muito perto do percentual do Ayrton nos resultados oficiais.

Nas pesquisas o Doda estava bem cotado, com o Ayrton em último, mas a preferência do Doda despencou "nos últimos 45 minutos do segundo tempo", supostamente por causa de sua interferência no episódio do beijão entre AC e Breno. O "encaixe" do Ayrton pode ter sido manipulado de uma forma direta ou indireta. Não fez muito sentido todo o favoritismo do Doda passar diretamente para o Ayrton.


"Daniel G. 20 de abril de 2018 03:56, 04:04
Minha torcida durante o programa sempre foi pela Ana Clara, mas meu voto na final foi anti-Kaysar, por isso votei na Gleice. Se a final fosse com a Paula, eu votaria na Família e acho que eles teriam chances de vencer. Mas não dava para queimar meu voto tendo o fanfiqueiro vitimista na final. Mas Gleice foi merecedora. Menina humilde, que, como você disse, fez um jogo linear e limpo, sendo ela mesma e conquistou as pessoas com seu jeito meigo. Parabéns à campeã!
Esta edição foi minha favorita e vai deixar saudades.

Mas independente do resultado, Ana Clara é uma menina linda, inteligente, e talentosa. Sabe cantar e atuar. Com certeza vai fazer seu 1 milhão e meio aqui fora.

Elli 20 de abril de 2018 04:47
Exatamente como você escreveu."
Foi muito bonita durante todo o Programa a amizade entre AC e Gleici e, as respectivas torcidas compreenderam isto de uma forma surpreendente! O mesmo não se pode falar das "amizades" de outros, feitas apenas por jogo.


"GMIMPORT MILANO 20 de abril de 2018 07:15
Parabéns, Frank você falou tudo no seu texto e principalmente por ter sido uma das melhores edições e o trio final era os preferidos."
Né? Obrigado.


"Rubia 20 de abril de 2018 08:12
Se a finalidade do programa não e fazer filantropia ou assistencialismo então não entendo o pq Gleici ter merecido já que a campanha em prol dela durante todo o programa foi a sua condição financeira, miseravel e neceasidade da família!"...


Quem nitidamente estava fazendo "vitimismo", "coitadismo" e em busca de assistencialismo e filantropia era o Kaysar, usando a desgraça da guerra em seu país como estratégia. Gleici não fazia nada disso e nem gosta que sintam pena dela. Quem fez isto em "seu favor", se é que fez, pode ter certeza que foi contra a sua vontade!


"Adriana Mendes 20 de abril de 2018 08:53
Ana Clara, campeã moral desse BBB18! Perfeita como o jogo pede. Mas sem dúvida, parabéns a Gleici, e que use o prêmio com sabedoria!

Kododis Blair 20 de abril de 2018 09:29
E ainda teve gente que achou ruim que nós, torcida da Ana Clara, migramos os votos para a Gleice. Se apenas 15% dos votos da Gleice fossem para a Ana Clara, o campeão da temporada seria o Kaysar. Decisão acertadíssima!

Parabéns Gleice e todos os finalistas! Parabéns ao Votalhada pelo grande trabalho! Parabéns as formigas e pimentas, por fazerem o que precisava ser feito!"


AC só jogou nos momentos obrigatórios do Programa, tanto quanto a Gleici.


    "Rubia 20 de abril de 2018 10:20

    Então quer dizer, vcs não votaram pra eleger seus favoritos mas pra derrotar alguem, é muita negatividade."


Algo que uma parte da torcida, geralmente os sem noção, não compreendem bem é que não é obrigatório ter apenas um preferido ou preferida e se trata de um concurso onde a convivência é fundamental. Não me refiro a lavar louça, fazer comida, etc, ou coisas similares. A formação de sólidas e bonitas amizades também é possível e quem entra para jogar sozinho perde esta chance inestimável.

Se o Kaysar não estivesse fechado para construir sólidas amizades desde o princípio e querer jogar sozinho, o que aconteceu com as torcidas de AC e Gleici poderia ter acontecido incluindo ou envolvendo a torcida dele. Não há nada errado nisto. O Breno e a Paula também enveredaram pelo mesmo caminho e acabaram se "encontrando" no trajeto. Afundaram juntos!

As torcidas não estão presas a nenhuma regra de comportamento, a não ser as previstas em Leis. Kaysar se aliou às pessoas erradas, o que significa que não sabe selecionar amigos, ou suas simpatias se inclinam às pessoas que agradam ou se assemelham à sua personalidade ou que lhe são afins.
 

"Coralina 20 de abril de 2018 10:10
A Ana Maria Braga é tão idiota ! O Kaysar não está apaixonado pela Jéssica ela fica querendo promover um romance , nada haver . Pelo amor de Deus Kaysar nào entre nessa , você é uma pessoa incrível e merece uma mulher bem melhor, menos volúvel e interesseira. Ana Maria é ridicula e Jéssica tá apaixonada pelo Kaysar ? Ela estava era apaixonada pela ideia dele vencer o bbb."


E de se tornar milionário. Bem sacado. Podemos ter o mesmo raciocínio em relação a outros casais ou possíveis casais.


"Laides Souza 20 de abril de 2018 10:53
+Lendo os comentários,dá pra perceber como tem gente amargurada na vida,não aceitam que uma menina meiga,pobre e humilde ganhe o programa,nunca gostei do Kayzar desde o começo enxerguei o Cezar Lima,muito forçado que só ganhou o premio por birra do povo."


Desde o começo também percebi a máscara do Kaysar e foi em seu primeiro raio-x. Ali ele já mostrava um comportamento diferente do que fez no primeiro dia. Ou seja, ele não tinha como deixar cair uma máscara que já tinha caído. No episódio da Jaqueta da Dolce & Gabbana dele, já não restava mais nada para cair de seu personagem VTzeiro.




Durante a maratona BBB18 Jéssica e Lucas se deram "tocos". No entanto é porque ele ainda tem esperanças de reatar o noivado. Se isto não se concretizar num tempo razoável até que as feridas se fechem, ainda pode voltar o casal JeLu.

Kaysar despiu seu personagem na Maratona, mostrando-se debochado com o Ayrton, depois que viu um vídeo onde o Ayrton dizia achar que o comportamento dele não era natural.





20 abril 2018

O que faltou dizer de Gleici, Kaysar e Família Lima, por Acioli


E mais uma edição chegou ao fim, para imediatamente despertar mais um ano de saudade. 

Essa temporada foi a melhor dos últimos tempos, mesmo com o resultado final diferente daquele que eu gostaria. 

Mas já estou até acostumada, difícil eu conseguir eleger um campeão.

Sabe há quanto tempo não consigo eleger um parlamentar? Mas nesse caso acho até bom, assim não me sinto cúmplice. 

E já me conformei em pensar diferente da maioria. A gente aprende.
Mas nem por isso deixo de falar o que eu penso, lol.

Well, vamos começar a falar do que interessa.

Cap. I   Campeã

Apesar de não morrer de amores por Gleici, estava tudo muito bom, tudo muito bem, até que ela soltou um "Lula livre". 
Mesmo sabendo da militância, eu procurava me forçar a esquecer do fato, para não ficar predisposta contra a fadinha

Só que foi demais pra mim. Ali, todas as minhas boas intenções foram para o espaço. 

Quem tem a coragem de levantar essa bandeira em público, ou é completamente sem noção, o que não parece ser o caso, ou é conivente com todo o prejuízo e vergonha que ele causou à Nação. 

Se já não tinha muito a dizer sobre ela, porque essa fada não me encantou, depois dessa tenho menos ainda. 

Mas tentarei ser justa como sempre, só que não vou lançar flores. 

E, claro, espero que respeitem a minha opinião assim como eu respeitei a opinião de cada um de vocês, e principalmente porque sempre respeitei todos eles que se expõem lá dentro ao cruel escrutínio da opinião pública. 

Gleici teve uma trajetória linear e uma conduta correta, mas isso é o mínimo que se espera de um campeão. 

Ser digno e leal costuma ser motivo de mérito por aqui, e no entanto, não é assim que todas as pessoas devem ser? Então, onde está o mérito? Porque mérito, no meu dicionário, é algo extraordinário, que merece exaltação. 
Triste sociedade que acha que ser do bem é extraordinário. Significa que ser do mal é padrão.

Bom, mas Gleici não é padrão, porque fez um jogo do bem, apesar de sem graça. Sempre na sombra de Ana Clara. 

Se Ana Clara não a adotasse, talvez ela tivesse sido eliminada no seu primeiro paredão, pois de tão apagada, chegou a ser confundida com uma planta por grande parte da audiência. 

Deu muita sorte de encontrar esse anjo da guarda, de ter uma personalidade meiga, e de ter uma história triste. A junção destes três fatores foi fundamental para que ela chegasse ao pódio. 

Torcidas são obcecadas em coitadizar os brothers, e criar um enredo muito mais interessante aqui fora no passado do que lá dentro no presente. Incrível, né? 

Quando ela foi escolhida para a falsa eliminação, cresceu no jogo, promoveu um clímax e se tornou protagonista, mas ao mesmo tempo começou com um vitimismo que irritou muita gente. 

Até que os desafetos foram sendo eliminados e ela se aquietou um pouco. Mas a mania de perseguição nunca a abandonou. 

O namoro esquisito com Wagner, o vilão da edição, pegou mal, ainda mais depois do quarto Farol, quando ela teve a oportunidade de conhecer mais dele. Se ela não percebeu ou fingiu que não, talvez saibamos agora. Mas depois da tatuagem da rosa amarela e do 1,5 milhão, acho difícil Wagner se afastar.

Gleici não tinha personalidade nem carisma de campeã, mas quando a estrela está programada para brilhar no caminho, não tem jeito. Essa edição estava predestinada a ser dela e pronto. Se não fosse assim, para que ela pudesse crescer até a vitória, Kaysar não teria perdido o favoritismo na reta final e Ana Clara não estaria em família

Bom, faço votos que ela saiba aproveitar a grande oportunidade que a vida lhe proporcionou. E que saiba fazer melhores escolhas daqui pra frente. 

Capítulo II  2° Lugar

O sincero sorriso de Kaysar não abandonou sua expressão nem com a derrota. Se alguém achava que a alegria dele era fake, taí a resposta, não havia mais motivos para fingir. 

Bacana a inciativa da Globo junto com a ONU em trazer os pais dele. Aliás, acho que ele não entendeu o que Leifert disse no meio daquela euforia. Ficou com uma expressão meio perdida e com certeza a reação seria outra se tivesse entendido. No mínimo soltaria um daqueles gritos guturais.
Mas pra quem achava que era tudo fake, que a família vivia feliz e satisfeita na Síria, taí a resposta, de novo. 

Com dois carros + 150 mil, dizem que ele poderia trazer a família da Síria tranquilamente. Bom, acho que a ONU não seria acionada se fosse taaaão tranquilo assim. As pessoas esquecem que na ditadura e no meio da guerra não existe a liberdade de ir e vir quando bem entender. Não basta comprar uma passagem de avião. É bem mais complicado que isso. Daí o nome refugiado, e não imigrante.
Os esquemas de travessia das fronteiras, que abrem e fecham de acordo com o conflito da vez entre árabes, palestinos e israelenses, custam muito caro, e são extremamente perigosos. 

E Kaysar, um sobrevivente do mundo, foi a parte lúdica desse game de gente grande. 

As tiradas engraçadas, o exagero, as reboladas desengonçadas, os inéditos e horrorosos cortes de cabelo, os gritos, a confusão com o idioma, as xavecadas, a garrafinha, o histrionismo. Isso tudo divertiu, confundiu ou irritou, ou todas as alternativas anteriores ao mesmo tempo. 

Mas o que emocionou foi a felicidade estampada na cara, a alegria contagiante, o sorriso fácil, a amizade sincera, a generosidade e o coração bondoso, além do carisma inegável. 

Claro que Kaysar errou, se não tivesse errado, seria o campeão. 

Ele se tornou uma caricatura de si mesmo, que não era necessária para contar sua narrativa por si só já tão rica e interessante. 
Sendo over, causou uma overdose que o enfraqueceu. 

Aplicando os estudos das edições anteriores, perdeu a espontaneidade, característica tão importante num legítimo campeão. 

Fez algumas alianças equivocadas, mas se redimiu ao justificar os votos com sinceridade. 
E na verdade, com seu jeito amigável e aparentemente ingênuo, passou o jogo inteiro sendo aliciado, e não teve muito fair play para se esquivar de certas situações. 

Mas Kaysar, mesmo sendo só um vice, foi um grande protagonista, e será lembrado como um dos ícones mais controversos da história do programa. 

Faço votos que consiga viver junto da família no Brasil, e que nunca perca essa alegria genuína e a fé. 

Cap. III  3° Lugar

Bom, Ana Clara merecia um capítulo à parte, porque pra mim, foi a grande merecedora, pelo conjunto da obra. 

Ana Clara consegue ser várias ao mesmo tempo. É menina e mulher, madura com toques de imaturidade,  louca, sensível, sensata, rabugenta, simples, divertida, inteligente, autêntica e muito espontânea. 

A lucidez do speech, a lógica do pensamento, a entrega de corpo e alma e a generosidade alçaram Ana Clara ao estrelato da edição. 

É regida pelo coração, e justamente por ser passional, cometeu alguns pecados da emoção, mas que para os fãs, não embaçou o brilho da sua trajetória. 

Foi a grande responsável pelo sucesso da Família, e se não fosse por Papito, acredito que seria a grande campeã. 

Mas Papito, apesar da polêmica que despertou, tem seu valor. 

Costumo dizer que seu jeito amorojoso, amoroso e pegajoso de ser, foi ao mesmo tempo sua ruína e sua glória. 

Papito foi chato, inconveniente, insistente,  sem noção, de vez em quando venenosinho, mas também foi amigo, leal, protetor, prestativo, compreensivo e generoso. Além de muito emotivo, rs. 

No jogo, Ana Clara reinou soberana, colocando o pobre Papito expert em BBB na palma da mão. 

Ambos, como pai e filha, se intrigaram o público com uma relação em princípio estranha, por outro lado emocionaram com o tamanho do amor envolvido.

A family next door que a gente amou conhecer e reconhecer nas nossas próprias dinâmicas familiares, em diálogos mais ou menos assim como esses:

- Ana Clara, não bebe! Ana Clara, vai dormir! Ana Clara, tô de olho em você! Ana Clara, acorda pro raio x, só falta você!

- Ai que saco estar confinada nessa casa maravilhosa com meu pai! Ninguém merece aturar meu pai 24h! Socorro! 

- Cadê minha filha? 30h de prova! O pezinho dela vai doer! Está com sede e fome! Ana Clara, desiste minha filha, esse sonho é meu. Não quero o seu sacrifício!

- Eu só fico triste pelas coisas que fazem com o meu pai. Por mim tudo bem, eu sou cascuda, mas ele é muito sensível. Pega leve com meu pai, por favor. Ele é o meu pai e eu o amo muito.

E foi assim que essa família chegou merecidamente na final. 

E se o grande público soubesse escolher direitinho, Ana Clara e Eva seriam as divas absolutas desta edição. 

Mas tudo bem, Ana Clara já é. 

É isso, gente, essas foram as minhas mais sinceras impressões. Espero que gostem, e se não gostarem, que sejam educados. 

Some não. Amanhã tem mais. 

O que faltou dizer de Leifert e do grande BBB18.

Beijos de paz.