13 janeiro 2015

Aninha Albuquerque: Os louros ao clássico!


Os louros ao clássico!

Muito bacana a final dessa primeira temporada do  Cozinha sob Pressão, gente!
O páreo estava bem difícil, e o próprio Chef Carlos Bertolazzi afirmou isso. Entre Arthur e Bia havia muito a ser considerado, desde o talento até a experiência, a criatividade e o dinamismo, a forma de trabalhar e manipular ingredientes. E a disputa foi boa mesmo, bem acirrada! Mas de uma lealdade brilhante!

O programa contou com a participação dos ex-participantes, prontos para integrar as equipes dos competidores. Tenho que dizer que ví escolhas inusitadas alí, viu? De qualquer forma, os cozinheiros ajudaram, e muito para que os menus-degustação criados pelos dois finalistas fossem bem executados, bem servidos e bem sucedidos. Claro que sempre há uma rateada aqui, outra ali, mas nada que comprometesse o bom andamento das cozinhas.
Acho que, avaliando bem, tínhamos o Arthur, que despontou desde o início como um cozinheiro talentoso, seguro, eficiente, um cara que resolve problemas rapidamente e deixa os companheiros de cozinha mais tranquilos, e a Bia, que começou a brilhar mais tardiamente, mas nem por isso em menor proporção. Criativa, ousada, talentosíssima e ágil no serviço, Bia se revelou uma forte concorrente conforme o programa foi acontecendo, e não deixou a desejar com idéias ótimas e uma culinária bem executada, saborosa. Acho que a diferença entre os dois era realmente palpável. Arthur é o cozinheiro dos clássicos, que ousa com toques pessoais bem pensados, e se dedica, gosta de perfeição e aplica técnicas tradicionais com uma segurança bacanérrima. Já Bia ousa, cria, combina e produz comidas que todos acabam elogiando. Dos dois, acho que dava pra sentir que o quesito experiência ficava com Arthur desde o princípio; o fófi reune várias características que um bom Chef deve ter, além de demonstrar grande paixão pelo ofício. E aí temos uma dupla ótima, que tornou a tarefa de escolher um vencedor muito difícil!

Antes da final, o Chef Bertz leva os finalistas para um jantar, e é lá que ele revela o prêmio do estágio de um mês em Las Vegas, no restaurante Scarpetta do Hotel Cosmopolitan, fora o prêmio de 100.000 reais em barras de ouro. Os três batem um papo descontraído, lembram alguns momentos do programa que foram importantes ou memoráveis para os competiores, e o Chef explica como será a competição. Ele afirma que a opinião dos convidados será muito importante, mas não é o que vai decidir quem vence.

Mas vamos ao que rolou, na prática, nessa grande final!
Os finalistas bolaram seu cardápio, e se reuniram com o Chef Alex Caputo para discuti-lo, ver detalhes, planejar tudo muito bem, para que tudo saísse como eles queriam. Caputo gostou dos dois menus, curtiu as idéias! Bia tinha pratos novos, que nunca havia feito antes, como muita coisa no programa. Arthur fez escolhas familiares, acrescidas de algumas inovações.
Bia apostou no uso da sua técnica com criatividade, e estava bem segura quanto às suas escolhas. Arthur, mesmo optando pela segurança do que lhe era familiar, da culinária que gostava, também estava muito seguro.
Momento importante no programa: os finalistas trocaram as dolmas pretas pelas dolmas dos Chefs do Cozinha sob Pressão, que foram trazidas por ninguém menos do que as famílias dos fófis! Alegria, momento de carinho, emoção, sorrisos, abraços, beijos e celebração com os queridos dos cozinheiros, momento de tirar muitas fotos e conversar um bocadinho. Muito bacana mesmo!

Já de dolmas brancas, é hora de encontrar o Chef Bertolazzi na cozinha, e receber o anúncio de que os competidores teriam equipes para ajuda-los no serviço mais importante do reality, e que as equipes seriam formadas pelos participantes eliminados do Cozinha sob Pressão. Todos menos Fabrício, que desistiu do programa, então estava fora mesmo. Desta forma, um finalista teria um integrante a menos na equipe. Para decidir quem iria começar a escolher a equipe, houve uma prova de tato, olfato e paladar. Quem adivinhasse mais ingredientes usando esses sentidos, ganhava, saía na frente, e por conseguinte, terminava com um integrante a mais para ajudar no serviço. A prova foi bem divertida, e já é um clássico no original da franquia Hell's Kitchen. Os finalistas teriam que deduzir os ingredientes enquanto equipados com vendas e fones de ouvido com uma música muito alta tocando.
Mas olha o destaque para Arthur confundinho uma colherada de água com uma colherada de azeite, gente!! Hahahahahaha!! O que o nervoso não faz com um fófi, né? E o carequinha mesmo disse que iria perder, porque seu nariz não funcionava bem! Bia, tadinha, sabia qual era o ingrediente - o tremoço- que estava segurando, mas cadê que o nome surgia na cabeça? Branco total, nada! E palavrões! Hahaha! Ninguém conseguiu adivinhar que o que estava cheirando era jaca. Bia tinha certeza de que estava cheirando uma coisa que conhecia, que era mostarda, mas não conseguiu dar nome ao ingrediente, toda aflita! Arthur achou que rã era cogumelo quando provou, e Bia soltou um "Aaaca, que que é isso?", fazendo careta ao provar o tamarindo. Acaba que Bia virou o jogo na fase do paladar, e venceu. Durante a prova, já dava pra ver claramente quem estava torcendo para quem, e quem queria ficar no grupo de quem... 

Os grupos ficaram assim: Com Bia, ficaram Carol, obviamente, Samara, Lilian, Marcel , que preferia ter ficado com Arthur, mas prometeu que iria dar tudo pra Bia vencer, já que não tinha sido escolhido logo pelo carequinha, Marcelo, que disse nos bastidores que trabalharia na equipe de Bia torcendo por Arthur,  e pegou Ronaldo, o nosso Dexter, que sobrou, tadinho...  Com Arthur, ficaram Manoela, Derileusa, que me sai com um "Sério??" (aaaai Derileusa!!), Dani , que Arthur chamou de princesa da Disney, Francisco - o Chicão, eliminado no comecinho doreality, e Diego, que ficou feliz de ir pra equipe do carequinha ligeirinho.

O clima nas equipes estava bom, o próprio Bertz reconheceu que os times estavam equilibrados e que a disputa seria dura! Os fófis se reuniram no lounge, discutiram o cardápio, se prepararam para colocar a mão na massa e ir pra batalha! Do lado de Bia, a moça mostrou ser decidida e ter grande liderança, já tendo em mente quem faria o que. Já do lado de Arthur, deu pra ver que o fófi deixou os cozinheiros mais relaxados, estava aberto a opiniões, e a mim pareceu haver mais flexibilidade por parte do fófi. As duas equipes pareciam bem animadas com os menus.
Com os pratos preparados para que Bertz experientasse, o menu foi provado e aprovado pelo Chef, que aproveitou para dar alguns poucos toques a respeito de um prato ou outro. Há que se prestar muita atenção numa finalíssima, né? Destaque para a sobremesa de Arthur, o Tomate-cereja do amor, preparada por Derileusa. Arthur quis arriscar, agradou e surpreendeu o Chef Bertz. Achei muito bacana da parte de Arthur dar todo o mérito a Deri para a sobremesa, que foi muito bem preparada. Bertolazzi elogiou os menus, afirmando que eles refletiam muito bem a personalidade de cada finalista.

Hora do vamos ver! Último serviço dos cozinheiros no Cozinha sob Pressão! Uma coisa que não ví nessa primeira temporada foi a tradicional sabotagem, mesmo sutil, que rola de alguns participantes com os finalistas na hora de ajudar na final. No Hell's Kitchen já assisti isso acontecendo algumas vezes, até por conta de desavenças ocorridas no decorrer do programa, e sempre fico de cara! No Cozinha sob Pressão o que ví foi muita dedicação e cooperação, os fófis estavam ajudando mesmo, querendo que seu Chef vencesse!
Os discursos de incentivo dos finalistas para as equipes antes do serviço já refletia um bocado a postura de cada um na cozinha. Arthur, descontraído e seguro, queria que o povo se divertisse cozinhando, elogiou os cozinheiros enquanto pedia seu bom desempenho, enquanto Bia, mais formal, ressaltou a importância de estar na final, de todos serem vencedores, e de que ela já sabia que todos mandariam muito bem!
Abertas as portas, pressão em andamento, a maior da temporada!
Logo de cara dá pra notar as posturas que seriam adotadas pelos finalistas no decorrer do serviço: Bia mais tensa, maisbossy, compenetrada e segura, e Arthur mais relax, falando bastante, distribuindo ordens com autoridade e sem imposição. O clima parecia bem mais gostoso na cozinha do carequinha, pelo menos para mim, aqui da minha poltroninha, isso estava nítido! Na de Bia havia muita concentração, e também dedicação.

Houve alguns tropecinhos, como Ronaldo não apresentando a montagem do prato do "salpicão chiquérrimo" de Bia, que mandou alguns pratos voltarem para re-empratar ou corrigir, ou Derileusa que soltou camarões com um pouco mais de sal do que o necessário (o que na verdade aconteceu por causa da pancetta que envolvia o camarão) e aspargos fora do ponto, mas tudo foi corrigido a contento. Arthur visitou todas as mesas, recebeu críticas e elogios dos clientes, deu explicações sobre os pratos, e foi muito simpático e atencioso com todos. A atrapalhação na cozinha de Bia aconteceu por causa das folhinhas de agrião que a fófi já tinha deixado no jeito para compor o prato, e estavam sendo colocadas de um jeito diferente do desejado pela moça. E lá vai Bia explicar, corrigir, reclamar um bocadinho, tudo para deixar os pratos empratados no "padrão Bia"...  A fófi também visitou as mesas, ouviu os clientes, agradeceu os elogios, simpática, e feliz com o serviço. Rumo ao término, todos cooperando para a entrega das sobremesas, com direito a abraços de Bertolazzi na chorosa e emocionada Lilian com o final do último serviço da temporada... Nhóóóó... Muito bonitinho! Group hug, pulos e gritos de "Arthur!" na cozinha do carequinha ruivo, muita comemoração! Na cozinha de Bia, todos os cozinheiros pegaram a última comanda para colocar no espeto ao mesmo tempo, fechando o serviço com gritos de "Bia!", se abraçando também. Papéis com as notas dos clientes devidamente entregues ao Giggio, e foi!

Decisão final! Os finalistas vão para o lounge aguardar, enquanto um Bertolazzi visivelmente aflito fica com as avaliações, decidindo. Foi bacana a restrospectiva que mostraram de alguns momentos do programa com foco nos finalistas, e fica bem óbvio que Arthur produziu muito, mostrou serviço e competência, talento e liderança, além de grande expediente. É também mostrado o momento em que Bertz prova o prato que ele considerou o melhor do programa, feito por Bia em uma prova que ela venceu, e mais alguns flashes da fófi mostrando muito talento!
Pronto! Acabou... Torcidas a postos, e suspense! Ai que aflição gente! AH!! Tenho que comentar uma coisinha diferente da franquia original, o Hell's Kitchen: pra quem nunca assistiu, na final, os cozinheiros ficam atrás de duas portas, e giram as maçanetas; apenas uma das portas se abre, e é a do vencedor. No Cozinha sob Pressão, há duas maletas em frente aos finalistas, e a do vencedor contém as barras de ouro do prêmio... Sem muitas delongas, os bonitinhos descobririam quem venceu ao abrir as malas.


Na minha opinião, os dois fófis tinham o necessário para ganhar! Mas o conjunto da obra do Arthur foi melhor. Nosso carequinha ruivo é o grande campeão do Cozinha sob Pressão! Debaixo da chuva de papeizinhos picados, o povo todo comemorou, com direito a champagne, lágrimas, gritos... enquanto Bertz, sozinho alí no meio, com as mãos na cintura, esperava para brindar com todos os cozinheiros um programa que com certeza foi um grande sucesso!
Curtí a vitória de Arthur! Realmente, ele mostrou a que veio, foi ótimo durante o programa todo, não se fez de humildezinho e deu seus ataques quando se irritou, perdeu a paciência, e mesmo sob muita pressão, cozinhou como um grande Chef de cozinha. Merecida a vitória!


Esperemos a próxima temporada! Desejo que seja outro grande sucesso, e que a gente possa se divertir bastante! Ao Chef Carlos Bertolazzi, os meus parabéns, de coração! Desde o programa Homens Gourmet que curto o Chef, os pratos que ele faz e ensina (se não fosse o Bertz, meu nhoque continuaria sendo apenas uma tentativa mal-sucedida! hahaha),  gosto do sarcasmo dele ... Curtí demais a postura do Chef no programa, e torço muito para que ele continue tendo tanto sucesso quanto já tem no seu restaurante! Beijos pra você, Carluccio, e parabéns!

Então é isso, fófis queridos... AMEI comentar o programa aqui no Votalhada! Espero a companhia de vocês na próxima temporada!
Beijinhos pra todo mundo, e até já!

- Aninha Albuquerque


0 comentários:

Postar um comentário

Regras para comentários: http://votalhada.blogspot.com.br/p/comentarios-regras.html