14 setembro 2016

RuPaul's Drag Race All Stars 2 - Episódio 3 por Rômulo Cordeiro

No episódio anterior tivemos o tão amado desafio do Snatch Game que consagrou Alaska e Katya como as melhores da semana e responsáveis por eliminar uma queen do Bottom 3. Na passarela, o tema foi Latex Eleganza o que deixou algumas competidoras em maus lençóis.  Num Lipsync for your legacy ao som de Le Freak (Freak Out) Alaska foi nomeada a vencedora cortando Tatianna da competição. E ela não foi a única. Depois de pensar bastante sobre seu rumo na competição e mesmo de esclarecer uma situação com Michelle Visage, Adore Delano desistiu da competição e voltou pra casa. E isso foi o que aconteceu até agora em RPDR All Stars.


Após a eliminação de Tatianna todas pareciam concordar com a eliminação dela e principalmente que a sua participação na temporada fez bem para ela. Alaska achou que fez o certo em eliminar Tatianna, porque entre Roxxy e Tati, Roxxy pelo menos soube dar a volta por cima na passarela, o que de fato é verdade. Mas eu particularmente fiquei triste com a saída de Tati, espero que ela volte nessa tal oportunidade de vingança.


Vamos pro desafio da semana. RuPaul trouxe como desafio semanal um Lipsync Extravaganza onde as queens teriam que interpretar as meninas mais malvadas da história. Cada uma teve um personagem pré definido pela própria Ru. A Divisão ficou:

Alaska como Eva.

Phi Phi O’Hara como Helena de Tróia.

Ginger Minj ficou com Catarina, a Grande.

Detox como Maria Antonieta.

Alyssa Edwards como Annie Oaklay.

Roxxy Andrews como Eva Perón.

Katya como Princesa Diana.

Elas tiveram como coreógrafos Ant e Ash do The Squared Division. Pra quem não sabe, eles já trabalharam com grandes nomes da música pop, como Britney, Taylor Swift, Kylei Minogue entre outras artistas do ramo. E é claro, que Alyssa Edwards como uma excelente dançarina é uma admiradora do trabalho deles.


Antes de comentar a performance de cada uma, temos que dar uma atenção extra a uma questão levantada por Ginger Minj. Ginger percebeu durante os ensaios que Phi Phi O’hara tem uma estratégia meio diferente das outras. A questão, segundo Ginger Minj, Phi Phi está se dando ao trabalho de sair do seu lugar e plantar uma sementinha de insegurança no trabalho de cada queen. Isso fez muito sentido depois do snatch game, onde ela disse estar preocupada com a Sofia Vergara de Roxxy Andrews e a mesma a margem da segurança trocou de última hora para Alaska e sabemos que essa mudança foi muito cara para Roxxy. Se Phi Phi veio pro All Stars pra se redimir da sua imagem da quarta temporada, essa estratégia não está ajudando em nada. Vamos seguir até onde isso vai dar.
A performance no Lipsync Extravaganza.


Alaska seria quem abriria o show, ou seja, uma responsabilidade muito grande já que ela deveria mostrar a energia que viria no resto do show. A caracterização ficou muito boa e bem a cara da Alaska que sabe trabalhar com o tom nude da pele. Gosto muito da Alaska e de suas performances em geral.


Phi Phi O’hara tem um rosto bem feminino e é inegável que ela tenha ficado muito parecida com Helena de Troia. A Maquiagem, a roupa e a delicadeza em alguns movimentos trouxeram a sedução que eu esperava de Helena, porém, sua parte na música ganhou ares de Rock e Phi Phi até utilizou de uma guitarra o que eu não achei que foi muito bem executado. Ficou bastante estranho pra mim.


Ginger Minj conseguiu driblar um dos problemas que era o tamanho do seu vestido e os movimentos que poderia ficar perdidos por conta dele. A interpretação de Ginger foi até aceitável, mas alguns dos jurados apontaram que antes e depois de sua performance Ginger não aparecia para eles.


Detox é uma fera quando se trata de Lipsync. Como sempre um dos pontos mais falado pelos jurados foi o movimento que ela fazia com sua mandíbula deixando o Lipsync mais divertido. Sua imagem já é cômica por natureza.


A Annie Oakley de Alyssa Edwards roubou a cena. Alyssa estava concentrada nesse desafio e bastante motivada. Parece que ela já tinha uma intimidade com a arma que ela usou como acessório. A alusão de atirar nas outras acentuava sua vontade de ganhar esse desafio, sem falar dos movimentos certos com acessórios certos na hora certa.


Roxxy Andrews pra mim foi a personagem mais fácil desse Lipsync, tanto nos movimentos como na produção. Não foi de todo mal, mas, Roxxy poderia ter inovado de alguma forma, sei que ela é capaz disso. Achei que ela ficou muito apegada a piada que a música trazia.


Katya como Lady Di estava incrivelmente parecida, tanto que até fiquei um pouco assustado. Na performance Katya passou por duas personalidades de Diana, a primeira a moça do povo e a segunda sendo a mulher traída e com atitude o que me transmitiu muito bem os sentimentos, mas isso não foi o suficiente pros jurados. Katya ajustou o vestido original e diminuiu a cauda pra lhe ajudar com os movimentos. Não foi muito bom no ponto de vista dos jurados.

Na passarela essa semana as queens tiveram que mostrar a Drag do Futuro.


Alaska chegou numa versão de alienígena futurista. Pra mim não parecia muito futurista a julgar por outros looks da queen. Até Michele comentou isso dizendo que não fazia muito sentido já que Alaska já é uma alienígena do planeta glamatr0n. Mas mesmo assim Alaska foi salva.


Phi Phi continuou na sua linha de cosplay e entrou vestida de ciborg. Foi uma passarela que veio a calhar pra Phi Phi que pode mostrar pra todos o seu novo trabalho. Phi Phi foi salva.


Ginger Minj pra mim estava uma bagunça e certas coisas não funcionaram. Primeiro que o seu vestido pra mim parecia o seu do desafio látex reformado. Segundo, ela afirmou que alguns detalhes de sua roupa estavam acessos, mas pela iluminação ficou imperceptível. O cabelo pra mim era a pior parte, era estranho, não consegui gostar daquilo. Ginger foi indicada ao bottom 2.


Detox me fez lembrar do filme “Eu Robô” com a sua caracterização. Sem cabelo, sem uma maquiagem feminina, mas pelo andado e pelas curvas de seu corpo era possível remeter a uma mulher. Juntando sua passarela com a Maria Antonieta do Lipsync Extravaganza, Detox foi uma das melhores da semana.


Alyssa Edwars não foi tão futurística assim pra mim, a roupa me pareceu algo que ela já usou na quinta temporada, e o acessório da cabeça pra mim parecia mais papel alumínio amassado As botas, bem, Lady GaGa deve ter usado algo parecido em 2010. Mas sua interpretação como Annie Oakley lhe deu o título de melhor da semana.


Roxxy Andrews entrou com uma vestido muito marcado por figuras geométricas, acessórios que vinham do seu cabelo, passando pelo seu nariz e chegando ao pescoço. Alguns jurado disseram que Roxxy estava apresentando muita coisa, mas nada que fosse futurista, era mais rainha da noite do que o futuro das drags. Mas Roxxy foi salva.


A passarela da Katya pra mim só foi ruim por conta do cabelo, não gosto quando ela usa uma peruca morena, a Katya pra mim só funciona loira. Mas a roupa também estava normalzinha demais pra mim. Em geral todas usaram preto e cromado para compor seu look futurista e isso ficou muito cansativo ao meu ver. Juntando o look a desejar da noite com a alguns deslizes no Lipsync, Katya foi indicada ao bottom 2.


O Lipsync for your legacy foi disputado por Alyssa e Detox na música “Tell It to my heart” que foi conquistado por Alyssa Edwards como eu já esperava. Desde o começo Alyssa estava focada em vencer nesse episódio e quando se trata de performance sabemos que Alyssa é quase imbatível, não desmerecendo Detox, mas Alyssa é uma verdadeira fera na dublagem.

Ao contrário do que eu esperava, as queens, Roxxy Andrews, Ginger Minj e Phi Phi O’hara esperavam que Detox ganhasse, principalmente Ginger, que acreditava que Detox seguiria os conselhos delas em relação a eliminar Katya. Diferente de Alyssa que era quase impossível saber o que ela estava pensando.

Resultado, Alyssa eliminou Ginger e ainda disse que Katya ainda tinha muito o que mostrar, e tem mesmo.


Ginger, um pouco rancorosa declarou que sabia que Alyssa iria elimina-la porque era competição demais pra ela e Alyssa estava retirando as que poderiam ser uma competidora mais forte. Será mesmo? A competição está afunilando cada vez mais e até os próprios jurados estão com dificuldade pra julgar a performance das queens.  Mas a pergunta que não quer calar... Quem voltará pra sua vingança? Deixe seu comentário e vamos compartilhar teorias. Um beijo e até a próxima semana.

Rômulo Cordeiro
Twitter: @Raiolaser_
Instagram/snapchat: raiolaser



Um comentário:

  1. Eliminação justa! pra mim a Ginger é mais do mesmo, percebo que ela não é exatamente ruim, mas nesse episódio vimos como um tema que faz ela sair da zona de conforto pode deixar ela em maus bocados, nem sei como ela acabou chegando no top3 da S07 e ainda lembro que ela falou na season dela que drags novas não sabem fazer drag e eu destesto drag old school com esse tipo de pensamento! >:-(

    Alyssa essa semana foi incrível mesmo, nem precisa comentar, o que ela apresentou, só mostra como ela é poderosa e uma artista extremamente competente! Já Detox eu acho que não consegui entender a ideia, eu simplesmente achei horrível o look dela na runway, toda pintada de prata, enrolada numas faixas e com várias fitas coladas no rosto? sem peruca? sem vestido? Milk e Max já fizeram isso...

    Katya essa semana não estava boa mesmo, mas não acho válido dizer que ela não conseguiu sair da zona de conforto, porque Katya já mostrou que sabe interpretar e divertir muito, só acho que Lady Di realmente não casou com ela.

    Também gostei dos critérios que Alyssa usou pra eliminar a Ginger - pelo histórico até ali e não pelo desempenho do episódio - RuPaul certamente não é muito de acordo com essa ideia, já que tivemos algumas eliminações injustas desse naipe ao longe dos anos no reality hahahah

    De um modo geral, mais um excelente episódio!

    ResponderExcluir

Regras para comentários: http://votalhada.blogspot.com.br/p/comentarios-regras.html