06 abril 2016

Do Cantinho da Shadow:
BIG BROTHER16 UM JOGO DE CONTRASTES


BIG BROTHER16
UM JOGO DE CONTRASTES

Se você pudesse me dizer...

Pessoas com idades, vivências, experiências, pensamentos diferentes confinados e convivendo juntas na mesma casa. Essa foi a grande novidade do BBB16.

Os participantes foram divididos em quatro grupos: “se ama”, os mais experientes; “se garante”, aqueles com mais de 30 anos; “se vira”, em torno dos 30 anos; e, “se joga”, os mais novos da edição.

Se você soubesse o que fazer...

Cada geração chegou com seus pontos positivos e negativos. A chave para permanecer e destacar-se no jogo, independente da geração, seria saber usar o que cada um tinha de melhor para permanecer na casa, construindo alianças; e, conquistar a simpatia do público.

O que você faria, aonde iria chegar?...

Aonde eles iriam chegar? Esse era o chamariz. Quem teria fôlego para ir mais longe? Como iriam lidar com o conflito de gerações?

De cara, em quem você apostaria? No “se ama”, “se garante”, “se vira” ou “se joga”?

O “se ama”, formado por Harumi, Laércio, Tamiel e Geralda. Quem eram eles? Amar-se é mais do que acreditar em si, do que esperar reconhecimento, do que depender de alguém para se sentir inteiro. Amar-se é realizar tudo dentro de si mesmo, com aceitação verdadeira do seu bem e do seu mal, com todos os acertos e erros de quem já aprendeu que isso faz parte da vida.

O “se garante”: formado por Adélia, Ana Paula e Daniel. Onde estava a força deles? Garantir-se é confiar em si mesmo, é conquistar; é alcançar mesmo quando se acelera demais e as coisas parecem fugir do controle e do seu ritmo natural. Garantir-se é se olhar no espelho, enxergar as fraturas e cicatrizes, as distorções da própria imagem e, apesar disso, seguir em frente em busca do seu melhor, de suas metas e objetivos. E se vem a angustia?, não tem problema, o desafio à frente é o bastante para desfazer a tensão.

O “se vira”: formado por Alan, Juliana e Renan. Qual era o diferencial deles? Virar-se é improvisar, é ter a capacidade de se refazer e reconstruir a cada alegria e tristeza, a cada sucesso e insucesso, a cada fracasso e conquistas, na busca incansável da inteireza e do reconhecimento. Virar-se é ter plasticidade e a capacidade de análise para encontrar respostas e decidir, num mundo com tantas opções. É encarar a vida como uma dança de vários ritmos, sem prévia coreografia, onde cada passo é um improviso, e, o final, uma incógnita.

O “se joga”: formado por Maria Cláudia, Matheus, Munik e Ronan. O que era jogo pra eles? Jogar-se é atirar-se, é a impulsividade que pulsa e o desejo que queima. É a busca da aceitação, do amor, muitas vezes platônico. Jogar-se é ter o espírito livre de quem acredita na beleza de seus sonhos. É a esperança de quem sonha acordado e tem a rapidez de raciocínio e o tempo do Twitter comandando a vida.

Se querer é poder, tem que ir até o final se quiser vencer....

No início, quem teria condições de ir até o final? Em quem você apostaria? Se na primeira semana houvesse uma bolsa de apostas, pelas características dos grupos, qual seria o seu palpite? Provavelmente, muitos apostariam que os finalistas estariam dentre os que se garantem e se viram. Afinal, para permanecer no Big Brother é preciso saber alcançar e reinventar-se a cada dia, a cada prova, a cada paredão, mostrar-se atrativo ao público o tempo todo e, a princípio, eles são os que teriam maior maleabilidade e traquejo para moldar-se ao jogo.

O mundo é perigoso, e cheio de armadilhas...

Porém, contudo, entretanto... no Big Brother, assim como na vida real, tudo passa pelo crivo do imponderável. Os dois grupos poderiam ter nadado de braçada no jogo, não é à toa que já entraram rotulados como aqueles que se garantem e sabem se virar. Quem tem isso vai longe, não apenas num reality, mas no mundo. No entanto, os dois grupos começaram a bater de frente, a se estranhar, aniquilar, emparedar, autodestruir e... enfraquecer, até sucumbir. Não souberam lidar com o elemento hostil e desagregador para superar-se; acabaram enredados entre si e perecendo, abrindo caminho para os demais.

Se você soubesse quem você é?....

Agora... dentre eles, quem você é? A que grupo você pertence? Você que ficou por três meses preso ao jogo, votou, comentou, criticou, torceu, viveu uma realidade que não é a sua. Sim, você. Além de ser o big brother, o “grande irmão”, que escolhe entre o bem e o mal, o ser ou não ser, que observa, julga, elimina, prestigia e tem o poder de premiar, quem é você?

O que a sua escolha revela, de você? A escolha foi sua ou de uma massa votante?

Viver é quase um jogo, um mergulho no infinito...

Já dizia Sócrates: “Conhece-te a ti mesmo”! Esse é o mergulho, esse é o chamamento. Afinal “viver é quase um jogo, cujo escore é o autoconhecimento”, não é mesmo?

A catarse, a identificação e a empatia de você que assiste é o que movimenta o jogo e direciona o rumo do reality show.

O resultado final fala muito mais do público que assiste, do que dos participantes. Seria desafiante para Sócrates encontrar o fundamento das coisas e nossa relação com os outros e o mundo, nos dias de hoje.

Um mundo cuja autotranscendência está nas redes sociais e, conhecer a si mesmo passa por curtidas e comentários de anônimos, a vida passa a ser entendida a partir do Big Brother, onde cada um expressa sua filosofia e a inconsistência do seu próprio discurso.

Que venha o BBB17!!!


Shadow / Mariasun Montañés
cantinhodashadow.blogspot.com.br
@Shadowtweetando



16 comentários:

  1. Brilhantíssimo texto....parabéns, perfeito, pois te respondo a qual grupo faço parte, certamente, do "se ama", talvez pela idade, mas com umas pitadas do: "se garante" e com um pouco de exagero, o do: "se joga...esses somos nós "homens do conhecimento, a nós mesmos não nos conhecemos" e estaremos eternamente em busca de nós mesmos...Nietzsche disse brilhantemente isso, como vc falou seu texto...mais uma vez perfeito...abs!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lígia,

      Que maravilha ver uma comentarista citando Nietzsche!!! Aliás ele disse bem: "homens do conhecimento, a nós mesmos não nos conhecemos". Se não nos conhecemos, como pretender conhecer e julgar o outro?

      Daí o desafio que o Big Brother coloca: O que você faria se tivesse tempo de sobra para estar com você, cercado por desconhecidos, sem poder fazer qualquer outra coisa a não ser conviver com você e o outro? Poder participar disso dando uma espiadinha, é o que faz o Big Brother ainda ser popular, apesar de já estar na 16ª.

      Nesta edição, os grupos foram bem classificados. O se joga, se vira, se garante e se ama, são fases de um aprendizado que não acaba nunca (como você mesma diz e Nietzsche também, rsss)..... Se você chegou ao grupo que “se ama”, parabéns, tem o domínio e a sabedoria necessários para se jogar, se virar e se garantir e... se amar feito a rocha que não se abala com o vento.

      Um Abraço,
      Shadow

      Excluir
    2. Caro Luís bom dia, agradeço a atenção!!!

      Claro que estamos falando da aceitação do "outro", esse outro que mtas vezes é difícil de escutar, se colocar no lugar dele é mil vezes mais difícil, pois o outro, sempre nos causa estranheza no primeiro momento. Contudo se tivermos o dom do desapego: a tolerância, a indiscriminação, a paciência, a transparência, o amor e principalmente a sabedoria, sim conseguiremos chegar no "Outro" sem questionamentos e aceitá-lo plenamente, mas posso te garantir que é o exercício mais complexo que nós humanos "homens do conhecimento e que a nós mesmos não nos conhecemos" rs... precisamos teorizar e praticar.
      Sendo assim, vamos todos praticar o exercício da aceitação do "Outro", principalmente na compreensão que ele nos oferece. Sem perder de vista que somos criaturas ínfimas desse Magnânimo Universo.

      Abs....Lígia!

      Excluir
  2. Shadow querida.

    Gostaria de reafirmar minha ENORME alegria em ter um novo texto teu no Votalhada.

    Beijo grande,
    Luís

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luís, amigo querido,

      É uma honra ENORME ter um cantinho aqui reservado para aquilo que escrevo.

      Beijão, Shadow

      Excluir

  3. Obrigada...vcs fazem valer a pena, ler e comentar em seu blog, amo os textos de vcs, mtas vezes n concordo com o conteúdo, mas. tento ser imparcial e respeitar a opinião do outro...abs..

    ResponderExcluir
  4. Oi, Acioliiiii! Tudo bem? Como sempre, seus comentários são o Fervo! Concordo plenamente quando você menciona Matheus, Ronan, D. Fumacê. Mas tenho cá minhas dúvidas quanto a infantilidade da Cacau. Fico me perguntando se não era estratégia, mas como você disse, Matheus prejudicou e/ou Cacau se deixou prejudicar na intenção de formar casalzinho BBB clichê, se apaixonar de verdade, ou ambos...
    Mas é fato que quando Matheus chegou, Cacau se apagou. Chorou,chorou um rio de lágrimas, mas sempre esteve antenada e conectada de corpo e alma ao Reality, de alguma forma. Nunca se desvinculou de seu foco, mesmo que nesse momento embaçado pelo seu affair. Quando ele saiu e já foi tarde, Cacau, como uma Fênix e na hora certa, renasceu das cinzas, cresceu, apareceu e jogou limpo, lindo, levou 150tinha e sua carreira com certeza irá deslanchar! Sempre gostei dela, lindinha, feliz com sua vida e seu corpo, esbajava simpatia, doçura e principalmente ética. Nem Matheus conseguiu dissuadí-la a votar igual a ele. Cacau tem uma convicção ferrenha sobre o que quer, e principalmente o que não quer.
    Coitada, como aguentou a Fumacê, o Ronan e o Matheus? Haja estômago! E na reta final, quando foi covardemente segregada pela Maria Fumacê e o Ronan, o Bárbaro chaaaato?
    Aguentou firme, se colocou muito bem com suavidade, coerência e clareza. Não subestimou nenhum de seus adversários, nem se superestimou. Se entregou ao sonho realizado, seu BBB tão aguardado! Gostei como ela e Munik, a quem também adoro, a convivência dos últimos dias, adversárias mas não inimigas.
    Até porque, Cacau, apesar de jogar sozinha se relacionava muito bem com a Ana Paula e a Munik. Se a Ana Paula não tivesse sido expulsa, creio que a final seria Ana Paula Campeã, Munik em segundo e Cacau em terceiro! Fato.
    Agora, Lindinha de Natal, te parabenizo, e você vai bombar! Num comentário anterior, disse que você era uma Princesa da Disney, mas não sabia qual. Agora eu sei. A Bela da (s) Fera(s)! Olha elaaaaaaaa!!!!!
    Beijão, Acioliiiii!!!!! You ROCK!!!!


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Debs.
      Esse texto não é de Acioli e sim de Shadow.
      Abraço.

      Excluir
    2. Oi Debs! Você como sempre gentil e pensando bem parecido comigo. Adoro seus comentários também! Esse cantinho aqui é da Shadow,que aliás é outra que arrasa com a qualidade dos textos. Mais tarde tem a análise de Munik. Volta, viu? Bjs Debs!

      Excluir
  5. Shadow, que texto soberbo.

    Leitura gostosa que faz pensar.

    Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Luana por tua presença aqui.

      Um abraço

      Excluir
  6. Nossa, só tem fera aqui adoro..., eu tinha uma amiguinha que usava essa foto,seria a mesma ,por acaso Shadow vc é Argentina?,amava demais ela,era alegre,e só nos fazia sorrir.. queria tanto que fosse, isso lá no falecido tevecospio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria Quarteroli,

      Costumo levar a vida numa boa, tenho meus rompantes de bom humor e riso fácil, mas, infelizmente, não sou a amiga que te fazia sorrir. Não frequentava o tevescopio. Talvez fosse um clone meu.
      O cachorrinho e o nick os uso há muito tempo, desde que entrei para a blogosfera.
      Porém, isso não impede que comecemos uma amizade. Você já me fez sorrir.

      Um abração, Shadow

      Excluir
  7. Shadow,que alegria ter você de volta aqui no blog. E que delícia te ler! Parabéns!!! Abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grata pelo carinho Acioli. É muito bom te ler também!!!

      Um abração,
      Shadow

      Excluir

Regras para comentários: http://votalhada.blogspot.com.br/p/comentarios-regras.html