04 fevereiro 2015

.: Ivan Marcondes Antônio, o professor sem estereótipos do BBB 13



Por Helder Miranda
Em fevereiro de 2015

Quando entrou para a 13ª edição do reality-show Big Brother Brasil, Ivan Marcondes Antônio surpreendeu quem o conhecia, pois, culto, afirmaram que ele não tinha o perfil de um "big brother". Paulista de Rio Claro, ele trabalhava como professor de inglês, e fez faculdade de Ciências Sociais na Unesp (Universidade Estadual Paulista) em Araraquara. Fã dos quadrinhos do Super-Homem e da dupla de animação Beavis and Butt-head, ele é desenhista, leitor assíduo e admirador de UFC.

Exibido de 8 de janeiro a 26 de março de 2013, em 78 episódios, o programa, dirigido por Boninho e apresentado pelo jornalista Pedro Bial, sagrou como campeã a mineira Fernanda Keulla, que levou o prêmio de R$ 1,5 milhão sem desconto de impostos, tendo como vice-campeão o gaúcho Nasser Rodrigues, que faturou o prêmio de 150 mil, e a paranaense Andressa Ganacin, em terceiro lugar, com o prêmio de 50 mil reais. 


A 13ª edição do Big Brother Brasil foi a primeira a ser exibida em HD e também o primeiro programa da Rede Globo que foi transmitido em 3D e também com Closed Caption, além de ser a segunda temporada a ser composta por antigos participantes – no total seis, das edições passadas, de um número total de 17: Kléber Bambam (vencedor da 1ª edição que, após ter desistido durante esta segunda participação, foi substituído por Yuri, da 12ª edição) e Dhomini (vencedor da 3ª edição), seguido de Eliéser (10ª edição), Anamara (10ª edição), Fani Pacheco (7ª edição) e Natália (8ª edição). Quando Bambam desistiu do jogo, entrou em seu lugar. 


O reality show perdeu uma das maiores promessas, ao eliminar logo na primeira semana a participante Aline Matos. A declaração "eu acho ridículo", sobre alguma atitude do participante Bambam, é lembrada até hoje e gerou vários memês na internet. Mas deixou no confinamento nosso primeiro ex-Big Brother entrevistado. A favor dele, o frescor de um homem sem estereótipos em meio a corpos bonitos que desfilavam exalando sexo por todos os poros e pretensões artísticas. Ivan não é nada disso e, ao mesmo tempo, é muito mais do que isso. 







Ivan foi sexto eliminado do "Big Brother Brasil", em votação recorde na décima terceira edição: 78 milhões. Saiu com 48%, Elieser Ambrósio ficou em segundo com 44% e Kamilla Salgado registrou 8% dos votos. 

A 13ª edição gerou algumas polêmicas, como a suposta crueldade do participante Dhomini com um cão, que afirmou ter arrancado os dentes do animal com um machado, repercutiu nas redes sociais e gerou indignação. Esta também pode ter sido a edição mais romântica, com o príncipe e a princesa, Fernanda e André, coroando o final feliz desse conto de fadas com o prêmio máximo para ela.


VOTALHADA - É verdade que você falou sobre o Votalhada durante o confinamento?
IVAN MARCONDES -  É possível, mas eu sinceramente não me lembro. Bem provável que eu tenha mencionado com o Nasser, mas eu não lembro do contexto.



VOTALHADA - O Big Brother é um programa que lida com estereótipos. Há os "sarados", os "barraqueiros", Os "coitadinhos"... e você não se encaixou em nenhum desses tipos. Como sobreviveu na casa por tanto tempo?
IVAN MARCONDES - Vencer o primeiro paredão me deu uma certa "moral", então fiquei um tempo sem ser votado por conta disso, creio eu. A gente sobrevive na casa fazendo amizades e alianças com as pessoas com as quais você tem algo em comum, e eu encontrei esses amigos no Nasser e na Andressa. Formar um grupo acaba sendo essencial lá dentro, por questões psicológicas mesmo.



VOTALHADA - Existe algum roteiro, ou vocês realmente vivenciam aquilo tudo espontaneamente?
I.M. - Não há roteiro, nem nenhuma direção no sentido de ordem do que devemos fazer ou dizer.


VOTALHADA - O que é real, e o que é fictício, dentro do maior reality show do país?
I.M. - Tudo é real. Acontece que se você filma 16 pessoas interagindo 24 horas por dia, você tem material pra criar a história que bem entender. Daí a edição cria o enredo que ela achar mais interessante.



VOTALHADA - Achou o resultado do seu programa justo? 
I.M. - Achei muito justo. A Nanda foi a melhor jogadora para dentro e para fora da casa.


VOTALHADA - Você se arrepende de algo que fez durante o confinamento?
I.M. - De ter ficado muito grudado na Andressa. Dentro da casa não parecia, mas vendo de fora foi um pouco demais mesmo.


VOTALHADA -Para você, participar do Big Brother Brasil abriu ou fechou portas?
I.M. - Como eu vim para os Estados Unidos fazer meu curso de desenho seis meses depois do BBB, não tive muita chance de ver o impacto do programa na minha vida profissional. Eu considero que abriu portas porque conheci muita gente interessante e fiz ótimos contatos e grandes amizades por conta da minha participação no programa.



VOTALHADA - Você é professor. Como foi, e é, a reação dos alunos ao verem você entrar em uma sala de aula?
I.M. - Desde que eu saí do BBB eu não lecionei mais, pois dei continuidade ao meu plano de fazer cursos nos Estados Unidos. Mas eu visitei meus antigos alunos e fui muito bem recebido por eles, que se divertiram com minha participação e não deixaram de me admirar. Acho que eu não teria problemas se fosse voltar a lecionar.


VOTALHADA - Como é entrar em um programa de confinamento já comprometido? O relacionamento sobrevive? 
I.M. - O meu antigo relacionamento sobreviveu ao BBB, mas foi por pouco. A minha ex teve muito ciúmes das minhas cenas com a Andressa, o que eu entendo perfeitamente. Mas conversamos e nos acertamos, inclusive passamos um tempo no apartamento do Nasser e da Andressa no Rio e as duas ficaram muito amigas. Acabamos terminando mais tarde por outros fatores, o principal sendo a distância que não estava mais suportável.



VOTALHADA - Na época de sua participação, foi dito que você se apaixonou por outra participante, a Andressa. Isso realmente aconteceu?
I.M. - Não. Nós tínhamos um relacionamento fraternal. Vendo os vídeos hoje, eu posso até entender que dá para interpretar meu carinho por ela de outra forma, mas nunca tive segundas intenções. E a edição pesou a mão nesse ponto.



VOTALHADA - Com quem você mantém amizade até hoje? E com quem você não quer contato de jeito nenhum?
I.M. - Tenho amizade com Nasser e Andressa. De vez em quando, converso com Marien e Marcello. Eu não tenho mágoas de quase ninguém e gostaria de encontrar todos eventualmente para bater um papo, com exceção do Bambam. Eu e o Bambam não temos absolutamente nada a ver.

6 comentários:

  1. Gostava do Ivan. Achei zoado a Aline ter saído e tb achei zoado ele ter saído no segundo paredão, ainda mais com o mala do Elieser. Não lembrava que tinha sido tão acirrado... quem sabe se ele tivesse se defendido de forma mais incisiva. Sei lá. Bom saber que vc tá bem, Ivan!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se não me engano foi tipo mais de 70 milhões de votos.
      Histórico.

      Excluir
  2. Ivan era meu favorito naquela edição, pena que saiu contra Kamilla e Elieser, enfrentar casal é foda. Mas parabéns pela entrevista e Ivan sempre surpreendendo, foi até aos EUA XD

    ResponderExcluir
  3. Legal a entrevista. Mas, por mais que ele negue, ele realmente se apaixonou pela Andressa... e tentava sim atrapalhar o Nasser com ela.. não me esqueço que ele ficava incomodado quando os dois estavam juntos, mas disfarçava dizendo que ajudava os dois. Depois que ele saiu, a Andressa cresceu no jogo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não concordo. Acredito que tenha tido uma carinho muito grande como diz nessa entrevista.
      A produção aproveitou para criar uma historinha em torno disso.
      Abraço, Ivan.

      Excluir
    2. Discordo. Adorava a Andressa mas depois que o Ivan saiu ela só ficou choramingando por causa da Fernanda. Ter um amigo além do Nasser na casa fez falta pra ela.

      Excluir

Regras para comentários: http://votalhada.blogspot.com.br/p/comentarios-regras.html