17 outubro 2015

"Bake Off Brasil" | Episódio 12 - Semi-final!



Nossa! como passou rápido, gente!! Já é! Semi-final, com direito a Dia das Crianças e tudo!
Os quatro competidores, os últimos moicanos, os desesperados sobreviventes foram desafiados a fazer bolos infantis, com pelo menos um recheio, cobertos com pasta americana, em 2 horas. Esse era o desafio criativo.
OK, uma ideia boa... Mas vamos levar em conta que é uma semi-final, e acho que, no mínimo, o que deveria ser apresentado para julgamento era algo de alto nível, com sabor e decoração desbundantes! Os confeiteiros já tinham que estar apresentando produções, no mínimo, dignas de estar expostas para venda em uma boa confeitaria. Tá, eu e noventa por cento dos telespectadores e amantes da confeitaria pensamos assim, e esperávamos por isso. Mas deu pra ver que tem chão até isso acontecer, né? Eu fiquei um tantinho desapontada com esse episódio (ou com mais esse episódio, né?). Como é que a essa altura do campeonato ainda estamos esperando uma performance mais bacaninha, gente? Não sei se é porque ainda é a primeira temporada, mas eu esperava um nível mais alto.
Para este desafio, o programa teve como convidadas para participar do júri as fofinhas Maysa Silva e Sofia Valverde. Achei que as bonitinhas deram opiniões bacanas sobre os bolos, viu? Criança normalmente é sincera, né? Me pareceu que elas estavam realmente dizendo o que pensavam, sem ensaio (temos que lembrar que as duas são atrizes), e sem ficar se segurando pra dizer algo menos agradável.

E lá se vão os confeiteiros criar seus bolos! E no decorrer da prova tudo parecia bem tranquilo até. Tici circulava com as juizinhas a provar brigadeiros pelas bancadas. Marília estava preparando um bolo do Bob Esponja, tipo Bem-Casado, com recheio de doce de leite. A massa me pareceu bem bonita, e achei boa a ideia de um Bem-Casado. E força na peruca pra trabalhar a pasta americana... Já Samira se empenhava em confeccionar um bolo do Chaves, com massa de chocolate meio-amargo, e recheio de brigadeiro feito com chocolate meio-amargo também. Ao provar do seu brigadeiro, as guriazinhas fizeram o "nham-nhaaaam!" tão cobiçado por qualquer cozinheiro, substituto até de muito elogio rebuscado! Olha, ela deve saber como agradar crianças, porque ela mesma tem 5, non è vero? Ayrton e suas estripulias: em sua bancada, descansavam 3 camadas de Pão de Ló bem coloridas que resultariam num bolo Pirulito, com 3 andares, recheio de merengue, geleia de morango e chocolate. Tinha tudo para dar certo, e o moço da franjinha me pareceu confiante, animado, tranquilo... Já o Michael, gente... tsc, tsc... Achei o moçoilo caidinho, fazendo aqueles olhinhos de peixe morto, apagadinho mesmo. O seu bolo era um daqueles tradicionais de festa infantil, com massa de Pão de Ló recheado com brigadeiro e beijinho. De sabor, tudo pra dar muito certo!

Aquele clima gostooooso de tarde na fazenda lá na tenda... Então começa o desespero de achar que não vai dar tempo, que não vai dar para entregar nada... Iiiiixi! Tudo como dantes no quartel de Abrantes. Entra semana, sai semana, lá está o danado do tempo deixando os confeiteiros encalacrados, arrancando cabelos, tingindo o nariz de vermelho, tossindo na farinha, caindo da mangueira, metendo o pé na jaca... Ai ai ai... Ri muito com o ataque do menino Michael com a Tici na hora da regressiva de 30 minutos! Esmurrou aquela pasta americana azul na bancada até dizer chega, coitadinha da coitadinha! Samira já nem conseguia dizer se o corante que estava usando era verde mesmo, doidinha por causa do relógio. Assim como o Michael, que achava que ia ser brabeira entregar o bolo do jeito que ele queria. Competição é isso mesmo, povo! Fazer em casa, no trabalho, a gente acaba gerenciando o tempo de um jeito que dê pra entregar um bom produto, e se vira. Televisão é bem diferente, e é bem por isso que virou reality, uma competição, tem premiação e tudo mais... Ali não é só a arte, a paixão e o talento que são compensados, mas também a habilidade de lidar com a pressão, com condições complicadas, adversidades, e com o vilão mór que é o reloginho, e mesmo assim produzir com perfeição. Ao menos é o que se espera, né? (...) Ayrton parecia relax, nada de roer unhas e dedos, nada de atabalhoamento... Marília, concentrada, sorria para as pequenas atrizes enquanto trabalhava no seu boneco do fundo do mar, já ouvindo das fófis que seu bolo estava muito fofo. Tinha ali um tantiiiinho de afobamento por causa do tempo, mas nada que comprometesse, pelo que me pareceu.
Deu dó do Michael com seu bolo torto, pasta americana com ondulações, remendos... Não entendi o que rolou com o mocinho, de repente. Caiu a qualidade de produção, ele começou a ir ladeira abaixo logo depois de se destacar, de fazer coisas tão bacanas... Será que não rolou a estrutura necessária para lidar com a pressão da chegada da reta final? Sei lá... Samira não estava satisfeita com o resultado da sua criação, e dizia para Cecília que nunca tinha feito "nada tão ruim"! Aff Samira! Fala isso não! Ayrton com os braços erguidos comemorava o fato de, que pela primeira vez, estava dando tudo certo! Weeee Ayrton! hahaha Tem que comemorar mesmo quando isso acontece! E o bolo dele estava mesmo muito fofo, com pirulitos em espiral coloridos por cima, bem colorido, a decoração com cara daqueles bolinhos divertidos que a gente vê em historinhas infantis, em revistas em quadrinhos bem desenhadas. Eu curti! E não é que o fófi terminou e ainda foi sentar para esperar o tempo, comendo confeitinhos de chocolate?
No depoimento de backstage, Michael chorava, dizendo que estava muito desapontado consigo mesmo.

Hora do julgamento. Começando por Marília, as pequenas atrizes deram opiniões bem sensatas, elogiando e também apontando pequenas falhas no acabamento, mas relevando alguns aspectos devido ao tempo dado. Carol e Fasano elogiaram a inteligência da escolha da confeiteira. Gostaram da massa, embora o recheio fosse um doce de leite pronto. Maysa e Sofia curtiram o sabor.
As pequenas curtiram o bolo da Samira, elogiaram a decoração. Sofia amou o Chaves no topo do bolo, Maysa também gostou do barril, mas faltou um melhor acabamento em sua opinião. Quando cortado, o bolo me pareceu muito bonitinho. Sabe aquela fatia bonita que dá vontade de comer? O contraste das cores estava bacana, de um jeitinho bem infantil. Gosto pessoal meu... Para Carol, fora o acabamento, o bolo estava correto, redondinho, bem coberto e nivelado, as camadas não se separaram, e Fasano também gostou do sabor, mas acrescentou que numa próxima vez, ela deveria inventar menos para produzir melhor.
Fasano já saiu com um elogio sobre a aparência do bolo do Ayrton. As fófizinhas concordaram. Sofia elogiou a decoração, e disse que dava muita vontade de comer. Maysa achou bonito, e "esperto" que Ayrton não tivesse colorido a parte de cima da pasta americana, dizendo que ficou harmônico. Olha que bonitinha! :) Carol achou a escolha do moço inteligente, pela aparência da decoração, ao mesmo tempo bonita e simples, com os pirulitos, que proporcionou um melhor aproveitamento do tempo. Bacana foi a reação quando o bolo foi cortado! A surpresa seguida do "Óóóóó!!" acompanhado de sorrisos sempre é um bom sinal, né? Sofia adorou o bolo, achou bom o azedinho da geleia de morango, amou as cores! Maysa curtiu muito o equilíbrio dos sabores, do colorido das camadas, do recheio. Carol achou que a massa podia estar mais molhadinha, e apontou que a parte de cima até soltava, e disse que a tendência era desmontar.
Maysa já começou seu julgamento do bolo do Michael com uma carinha de pena, chamando o fófi de "querido"... Ai que dó daquele bolo, gente! Ele até tentou, escreveu um "Feliz Dia das Crianças" no topo do bolo, a cor até ficou bonitinha, mas... Como Maysa disse, "parece que foi feito por uma criança". Ela até falou com jeitinho, um tantinho sem-graça, e disse que a aparência não tinha ficado muito boa. Sofia concordou, e ainda acrescentou que elas sabiam que não tinha muito tempo, mas disse que tinha ficado legal, "tipo Frozen". Boazinha que só ela a guria! Carol começou destacando os problemas do bolo, mas elogiou o ponto do glacê. As pequenas gostaram do sabor, e Fasano frisou que era um bolo gostoso por dentro e horroroso por fora. Ouch! Michael foi obrigado a concordar, meneando a cabeça, os olhos de peixe morto e um sorriso amarelo de dar pena... Carol disse que ele tinha que aprender a lidar com o tempo, aconselhou sobre fazer mais simples, usar um rolo texturizado quando a pressa é grande... Concordo absolutamente. O simples pode ser muito elegante, chique, bonito. É só saber fazer e caprichar.

Next!
Desafio técnico. Aí já achei baba, fala sério! Cakepop, gente?? Pirulitos de bolo, se preferirem. Tá, tá, tá... sou ranhetinha, sei que é super tendência, o tema é perfeito pro Dia das Crianças. Mas pára por aí, né? A própria Carol disse que o desafio não era tão brabo tecnicamente falando. Por isso mesmo, ela queria que os competidores surpreendessem na decoração. Fasano pediu que não chegassem pra ele com "cocô de cavalo" ( de novo, fói??! afff) com palitinhos espetados, nem bolinhas de futebol! Carol deu alguns conselhos, alertou sobre a quantidade de açúcar também. Sem muito mistério, né? Um bom confeiteiro pode muito facilmente pegar farelos de um bolo, misturar um brigadeiro, um doce de leite, moldar bonitinho, cobrir com chocolate. Nada muito além disso resulta num Cakepop bacaninha... Daqui da minha poltroninha, acho mesmo é que o desafio foi pequeno, pouco ... como diria? Exigente. Nesse pé da competição, numa semi-final, no mínimo os confeiteiros já deveriam ser desafiados com doces mais complicados, sei lá, um bolo Marta Rocha, um Souza Leão, decorações com fios de ovos, recheios de baba de moça, fios de caramelo, rocamboles recheados, mil folhas... Afinal, é confeitaria ou não é? É pra mostrar serviço, talento, ganas de vencer, criatividade, superação, conhecimento, né? Tudo bem que não tem profissional pra valer entre os competidores, mas pra se inscrever num programa assim, deveria ser exigido dos participantes, no mínimo, um certo nível técnico, assim poderiam lançar desafios mais fortes. Desse jeito fica um lance meio "puramente amador", sem intenção de chegar ao profissional em algum ponto. Sei lá, é só minha opinião. Posso ter entendido mal o intuito do programa, como eu já mencionei antes, ou vai ver eu estou acostumada demais a ver os programas gringos, em que os participantes são muito feras mesmo. Num daqueles realities, nenhum dos nossos competidores sobreviveria ao primeiro episódio, sinceramente...

Pois bem, 20 Cakepops, 10 com um tipo de cobertura, 10 com outro tipo, todos cobertos com chocolate e confeitados, teriam que ser confeccionados em 1 hora e meia. Com as receitas em punho, os competidores correram pra dar início aos trabalhos. E novamente, fófi se pelando por causa da temperagem do chocolate. Fasano não aceitaria nenhum tipo de irregularidade. O lance alí seria acertar a consistência da massa, que tinha que ser mais molhadinha, pra que ela grudasse direito no palitinho, sem quebrar, e a temperagem certa do chocolate também era algo esperado, já que eles já deveriam ter aprendido essa técnica.
Entre os confeiteiros imperava a emoção. Marília preocupada com o tempo e a temperagem do chocolate, Samira querendo guardar na memória a imagem do anoitecer com aquela luz boniiiiita de fundo... Michael se debulhando em lágrimas, contando para Tici sobre sua experiência desde a inscrição no programa... Samira, como sempre, preocupada com o tempo! Ayrton, já na área de desastre novamente, metia os dedos no chocolate do bolinho, gente! O que eu ví na bancada do moçoilo foi uma melequeira danada! hahaha E lá estava ele besuntando os dedinhos e os Cakepops numa mistura de chocolate e corante surreal! Os bichinhos estavam feios, viu? Parecia que tinha nascido cabelinhos nos doces! E ficaram ruins. Segundo Fasano, inadmissível pra uma semi-final! Concordo! Dá pra entender o nervosismo, claro, afinal um deles estava com o pé na porta pra ir pra casa... Os docinhos do Michael pareciam bombons de cabeça pra baixo espetados em palitos, porque foram deixados para escorrer numa superfície. A temperagem do chocolate estava melhor que a do Ayrton, mas ainda assim, tinha defeitos. A textura até que estava aceitável. Os da Samira tinham um padrão de tamanho, a temperagem estava correta, a decoração simplezinha, quase "adulta", o bolo poderia estar mais úmido, nada de excepcional. Os Cakepops de Marília foram chamados por Fasano de maçãs do amor, porque também estavam achatados no topo. A massa foi a melhor, mas Carol frisou que estava longe de ser um Cakepop incrível. Bom sabor, com decoração pobre. Ficou óbvio que não houve criatividade, houve problemas com tempo, e faltaram Cakepops decentes.
Em último lugar, Ayrton, o imprevisível. Em terceiro, Michael. Samira ficou em primeiro lugar novamente, com ressalvas pela decoração. Marília ficou até contente com o segundo lugar. E com o avental de Mestre Confeiteiro também! Olha a fófi podendo! Parabéns Marília!

Eita! Já dava pra sacar que o eliminado seria o Michael, né? Sei lá como ele escorregou, caiu assim. Ele já parecia abatido na primeira prova. Acho até que ele já esperava, pelas coisas que disse durante o episódio, pelo choro, o desequilíbrio emocional... Disse que estava preparado psicologicamente pra sair, mas estava estampada a decepção no rosto dele. Ele cresceu bastante durante o programa, isso tem que ser reconhecido. Mas tem que manter o nível, né? Peninha! O moço é talentoso, só que tem muitos aspectos além do talento pra chegar na final e ganhar. Michael disse a frase mais constante em realities: "É um jogo". Acho que nesse caso, não é beeeeem assim. Mas ele vai longe! Vamos ouvir falar dele, né? :) Não é que o fófi ganhou beijinho do Fasano antes de sair? hahaha
Bom queridinhos da titia... Logo mais tem a grande final! Bóra assistir pra comentar? Pelo jeito vai ser muito bacana!
A gente se vê por aqui, então! :)
Beijinhos e até já!
 -Aninha Albuquerque


0 comentários:

Postar um comentário

Regras para comentários: http://votalhada.blogspot.com.br/p/comentarios-regras.html