08 julho 2015

E o segundo episódio de "Scream" é tenso, mas faz rir

Por: Mary Ellen Farias dos Santos

Em "Hello, Emma", episódio sequência ao da estreia de "Scream", a narrativa sinistra de Noah Foster (John Karna) é que apresenta o resumo do que aconteceu anteriormente. Contudo, o massacre virtual ou ciberbullying com Rachel (Sosie Bacon) e Audrey (Bex Taylor-Klaus) continua. Infelizmente, Rachel mostra ser mais frágil do que Audrey. Sim! A loira é adepta da modinha de se cortar com gilete, mas ela não tem a chance de tirar a própria vida.

Ok! Suspense no ar e, antes mesmo de estampar o título da série, o assassino serial faz a morte do episódio acontecer -quase que a jato, mas bem escabrosa. Contudo, alguns minutos depois, quando o corpo de Rachel é encontrado, o cenário muda, sem qualquer explicação. Estranho!

A verdade é que mesmo após 4 dias da morte de Nina (Bella Thorne), a jovem ainda é assunto, até mesmo para a imprensa. Também pudera, o adeus à patricinha teve direito a um mural de recados e "lembrancinhas". Noah e Audrey até destacam alguns recadinhos curiosos.

Em contrapartida, Noah vai à polícia depor e mostra o interesse que tem em assassinos seriais. Ainda na escola, Emma levanta a lebre de ter recebido um telefona estranho. Eis que a cena engraçada do episódio está apenas por vir. Sim! A tecnologia entre os personagens é tão latente que o próprio assassino, usando a máscara de fantasma, simplesmente tira e envia uma selfie com o corpo de Nina ao fundo. Pergunta: É para rir ou para chorar?



Simultaneamente, os alunos que estão perto do armário recebem a mesma mensagem macabra. Destaque para a cara (de bobo) padrão daqueles que conferem a imagem. Por outro lado, após fazer o público rir -a cena é muito nonsense-, fica evidente uma crítica a necessidade ridícula do ser humano moderno em postar na internet tudo o que faz. Até a fala de Noah reforça esta "cutucada".

Assim, Emma, a mocinha da história, remói o sentimento de culpa por Rachel "ter se matado". Sim! Todos pensam isto, considerando a forma que o corpo da vítima foi encontrado em casa. Neste episódio, o clima de suspense surge num simples toque no ombro de uma amiga, um jovem sozinho em um campo parcialmente escuro ou até quando a mocinha sai para colocar o lixo e a porta fecha, trancando-a por fora. Claro! Ela é a mocinha, então, o vilão dá um susto nela, faz uma pseudo perseguição e só.

Entretanto, o melhor momento de Emma acontece em casa. Assustada com o barulho seguido do disparo do alarme, o telefone toca. Enquanto ela conversa com o atendente da empresa que cuida da segurança da moradia, o papo toma um rumo bem diferente. Numa "brincadeira", a dúvida cruel é plantada: "Você me trancou dentro ou fora?".

Tal qual Tatá Werneck, em Trolalá MTV, o assassino serial mantém Emma na linha telefônica, até passa a fazer ameaças, proibindo-a de chamar a polícia. Assim, a filha da verdadeira Daisy -da lenda urbana que move o enredo desta trama- percebe que a situação é grave e que este é um jogo que esbarrará em mortes.

Embora use e abuse da cultura pop e da tecnologia, vide o ciberbullying ou menções a seriados como: "Game of Thrones", "Scandal", "Walking Dead","Scream" ainda está engatinhando. Logo, o "X" da questão tem chances de ser diferente do habitual. Talvez o assassino não seja o mais importante, mas quem é o próximo a morrer. Até porque, a cada fala incompleta (propositalmente), todos personagens parecem ter culpa no cartório.

Ressaltando que o desfecho deste episódio deixa um pouco a desejar, tudo indica que a partir do terceiro é que a trama vai engatilhar de vez. Afinal, quando o assassino questiona Emma -por meio do bom e velho telefone fixo e sem fio-, sobre quem ela é, na sequência, a voz macabra alerta que a conhece, assim como a horrível mãe dela. Logo, fica difícil estragar a continuidade deste suspensão. Enfim, nos vemos em breve!



Seriado: Scream
Episódio: 1x02 - Hello, Emma
Elenco: Willa Fitzgerald, Bex Taylor-Klaus, John Karna, Amadeus Serafini, Connor Weil, Carlson Young, Jason Wiles, Tracy Middendorf
País: EUA
Gênero: Horror, Suspense, Mistério
Duração: 42 minutos
Desenvolvido por: Jill Blotevogel, Dan Dworkin, Jay Beattie
Produtores: Matthew Signer, Keith Levine


* Mary Ellen é editora do site cultural www.resenhando.com, jornalista, professora e roteirista. Twitter: @maryellenfsm 

0 comentários:

Postar um comentário

ATENÇÃO:

O Votalhada é um blog para AMIGOS do Votalhada. Pode criticar, pode não concordar mas educação é fundamental. Não perca seu tempo.

#SemPolítica #SemOfensas #SemMAIÚSCULAS #SemBabacas

Pessoal, qualquer comentário com conotação política, que cite nome de qualquer candidato ou termos que lembrem candidatos, governo atual ou passados, NÃO SERÃO MAIS LIBERADOS.

LEMBRE, depois de postar fica gravado para sempre. Mesmo que você exclua, a mensagem enviada pelo sistema para o moderador (com o texto postado) não desaparece.

LEIA AS REGRAS:
http://votalhada.blogspot.com.br/p/comentarios-regras.html



Atenção a todos os usuários que não configuraram suas contas do Google ou Blogger e que aparecem como Unknown: Os comentários efetuados com esse nick não serão publicados.

Grato.