04 fevereiro 2015

Frank Killer: Vício e Audiência


Vício e Audiência

Quando você é só da internet, não pode saber o que pensam os do sofá, incluindo os do PPV, TV aberta e celulares. Muitos (talvez a maioria) querem ver apenas pessoas, valores, sentimentos e emoções boas ou ruins, e não jogadores, ou só jogadores.

Tenho recebido  feedback de pessoas que se identificam com Mariza somente por causa da idade e, com Cézar, somente porque ele é ou parece ser simplório, sem entrar em considerações sobre bairrismos e preconceitos, racistas, sociais e políticos inclusos.

Em relação a casais as pessoas querem saber se é amor mesmo, ou atração (porque isso não é impossível), ou apenas e tão-somente jogo. Esse negócio de "caprichete" é rótulo maldoso de quem prefere ver apenas jogo em RS, porque é mais fácil para julgar ou formar juízo.

Em síntese é preguiça mental ou opção para não pensar e não ter que analisar com justiça. Esta preguiça, ou tipo de, também caracteriza os que não são dados à leitura e reclamam de prolixidade. É claro que quando o critério de avaliação é só o jogo ou a qualidade do jogo, é muito mais simples e fácil de lidar, falando-se de atividade mental.

A proposta dessa edição (15, creio, e espero que das seguintes), é justamente um retorno às raízes do RS e melhorar a qualidade dos assistentes ou também alcançar um público menos fanatizado e mais diversificado, esclarecido, etc. Esse negócio de jogo cansa e vicia jovens e adultos de qualquer idade, desvirtua a proposta original do formato e o transforma em jogatina, certamente matando o RS, porque o iguala a muitos outros programas por aí.

A proposta é conhecer o íntimo das pessoas e não se elas são jogadoras inteligentes ou burras, eficientes ou incompetentes em jogo. Para isso existem outros tipos de programas na grade.

A Fazenda comprou essa ideia de jogo e está morrendo por causa disso. Perdeu toda a credibilidade e está sendo muito difícil se reabilitar, porque quase chegou a um ponto sem volta. Se eles não forem burros, repensarão o que fizeram até agora, pois reúnem condições excelentes para tal.

A televisão não é "monotema"! Não é só futebol, ou só novela, ou só jornalismo, ou só gincanas ou desenho animado. Ela tem que ter diversões e entretenimentos diversificados na programação para alcançar todos os públicos e amoldar-se a eles, porque em caso contrário morre por causa da concorrência.

A proposta de um RS é diferente de tudo isso e não se deve deixar tal intento ou idéia morrer ou transformar-se em um desses programas comuns de entretenimento. A conquista dos que apreciam jogo já se completou.

Agora o programa parte em busca da conquista de novos segmentos de público ou recuperar os que perdeu pelo incentivo desregrado e insensato ao jogo. O jogo é apenas um ingrediente e não é o principal em um RS. É aí aonde está o engano: jogar por dinheiro é um vício degradante e não uma atividade positiva. Não se deve premiar jogadores em detrimento de pessoas sem esse vício e pacatas, ou honestas, ou humildes, ou sinceras, ou com outras qualidades e atributos positivos.

Se o programa joga um participante contra outro não é para que o mais sagaz, esperto ou maior jogador triunfe. É justamente o contrário. A esperteza e a astúcia são contra-sensos da honerstidade e da retidão do caráter. "Se o malandro fosse sagaz, seria honesto só por esperteza e malandragem".

Para não perder o fio da meada aliás, todo vício é degradante! Todo malandro é burro!

Muitos estragam suas vidas quando vão para um RS com o intuito de apenas jogar para ganhar o prêmio e é por isso que este é alto. Ou seja, para testar até aonde vai a honestidade e os princípios morais e éticos dos participantes ou, em contraponto, a cupidez e a ganância. Quando você se identifica com esses (jogadores), você também não presta e sua moral e probidade é duvidosa. Se você é assim eu não confiaria em você!

Se você quer ir para um RS apenas para jogar pelo prêmio, não vá! Em caso contrário (que não é apenas jogar pelo prêmio) diga na entrevista que sim, se exigirem, mas retrate-se com sinceridade lá dentro. A produção poderá eventualmente persegui-lo então, mas isso o alavancará perante a audiência, se você for inteligente.

No fim e ao cabo, você acabará ganhando dinheiro, de uma forma ou de outra. Terá notoriedade se sair-se bem e gozará de uma fama passageira, longa ou curta. Terá testado sua personalidade e capacidade de convívio em condições extremas de isolamento e saberá seus limites, além de conhecer-se melhor e às outras pessoas. 
Poesia e Preconceito

O poetinha (literal) Adrilles já ganhou a antipatia dos cariocas quando insinuou que os cariocas são marrentos. "Comé"? 

Calma aí; muita calma nessa hora! Foi um feio pisão de bola. Ave Maria Gratia Plena! Ele pode até achar tal coisa, mas generalizar isso no confinamento é confissão de bairrismo e pode levar os cariocas e outras cidadanias a rejeitá-lo. Vivo aqui no Rio, não sou carioca e não acho isso! Muito pelo contrário. 

É preconceito e não se coaduna com inteligência ou poesia. A cidade com sua região metropolitana, adjacências e área de influência é bela, cosmopolita e hospitaleira e tem muita representatividade nos votos.

Você não pode ir aos Estados Unidos (mal comparando) e dizer publicamente que a capital deles, Washington, é uma droga de cidade e que seus habitantes são marrentos. Você será escorraçado de lá e nunca mais receberá outro visto para voltar lá. Felizmente para o Adrilles o carioca levará na flauta, muito provavelmente, e despertará apenas dó e comiseração.     


"Maria 3 de fevereiro de 2015 09:52
Desculpe Frank mas nao tem publico da terceira idade que segure a tonta da mariza...."


Pode ser que não, Maria, pode ser. Mas também pode ser que sim. As pessoas não pensam igual e não têm as mesmas preferências.

"Laurita 3 de fevereiro de 2015 11:11
Sou da 3a idade, nao do sofá, rsrs da minha cama, onde assisto o BBB com meu note no colo, rsrsr. Nao aguento a mariza, e Adrilles fica ainda por um bom tempo, a nao ser que vá com Fernando, Aline, Marco, apesar que nao comprei esses casais fakes.mas as caprichetes adoram fazer o que? E ainda nao ter preferido nenhum para vencer. Muito cedo pra minha escolha."


Com Marco tenho minhas dúvidas se o elimina. Também não vejo o Adrilles com cacife para eliminar César, Rafael, Talita e Tamires, a não ser que pisem na bola. Com Aline a disputa será dura e Minas Gerais irá decidir essa parada. Quanto ao embate contra o Luan, os cariocas decidirão, se quiserem. 

"Dadinha 3 de fevereiro de 2015 12:34
Votalhada, Frank, muito bom voltar a acompanhar o blog em tempo de BBB. Saudades da nossa troca de impressões!..." "...Novos poderes para o líder, paradoxal à perda da imunidade, traz um ônus maior do que o bônus da mordomia, e mudando totalmente a dinâmica da liderança, fará, em minha leitura, com que os mais focados no jogo decidam não lutar por ela. Abs à todos e até a próxima impressão!"


Leitura correta, Dadinha! Vamos torcer para que a nova proposta seja séria. Abraços e seja benvinda de volta.

"Di 3 de fevereiro de 2015 12:55, 13:55
Oi Frank! O Cézar não me chama a atenção de jeito nenhum.... Sei lá, não gosto. Li que já foi candidato a vereador na cidade dele. Depois dos paredões formado vai para o jardim e chora agradecendo mais uma semana na casa....gosto disso não. Quer ser engraçado com aquelas palavras, mas não vejo graça....Matuto? Humm...acho que não! Faz tipo! Abraços."

"O Marco foi uma surpresa total pra mim, achei que seria como aquele monge do BBB 6, sabe? Meio boboca. O cara joga o tempo todo, até qdo dorme......rsrs"


Oi Di! Se isso for verdade explicaria o jeitão de falar dele (Cézar) para o público. Acho por enquanto que todos (e espero que quase, ou sem exceção talvez), estão fazendo tipo. Isso eliminaria esse critério. Oxalá, não. 

O Marco me desconcerta também. Nunca esperaria deparar-me com um Teólogo jogador de pôquer e, agora num RS, por dinheiro. Para completar colocaram uma umbandista nas paradas! Está sendo muito instrutivo para mim, por poder observá-lo. Fico quase que exclusivamente perseguindo-o através das câmeras do site e pelo PPV. 

Seu poder de indução, convencimento, preparo, metodologia e inteligência é desproporcional e nada seria melhor do que isso para derrubar de vez esse fascínio por jogo dos fanáticos e sem noção. Essa edição é sem dúvida uma encruzilhada nessa questão. Abraços.

"Paula 3 de fevereiro de 2015 13:11
Eu tenho PPV e dx a TV ligada o dia inteiro..." "...Respeito todas as opiniões e desafio cada um aqui a tentar enxergar da forma q vejo pra quem sabe, entender minha visão.
Abçs Frank"


Abraços, Paula. Suas opiniões se aproximam bastante das minhas com pequenas ressalvas. Na verdade não estou gostando do tipo de jogo de vários ali e dos que já saíram. Creio que esta edição matará todos os jogadores que vieram calcados nas edições anteriores. O isolamento mais severo dará cabo deles e veremos muito chororô e ranger de dentes, além dos já vistos.


Às vezes desconfio (na verdade fico cismando) que a "a voz" fala para os confinados o teor das nossas (dos articulistas e leitores) conversas e temas ou os referencia de algum jeito. Inúmeras vezes eles falam exatamente sobre o que falamos aqui, e logo no dia seguinte! Em algumas ocasiões falam de coisas que não poderiam saber, a menos que estivessem assistindo o programa com uma visão desde fora da casa ou adivinhando o que falaríamos.


4 comentários:

  1. Concordo com quase tudo o que você comentou.

    Gosto de RS pelo embate que existe entre pessoas diferentes em um mesmo ambiente. O jogo é um elemento... mas o mais importante é a pessoa por traz do jogador.

    É muito interessante ver o ponto de virada na trajetória de algum participante. Procurar entender o que levou-o a tomar uma atitude que não esperávamos, justamente porque algo mudou.

    Estou gostando desta edição (15ª)... ela recuperou muito da sensação que tinha lá no começo de tudo.

    ResponderExcluir
  2. "Esse negócio de "caprichete" é rótulo maldoso de quem prefere ver apenas jogo em RS, porque é mais fácil para julgar ou formar juízo."

    R: Esse negócio de caprichete foi inventado pelas pessoas que assistem RS desde seu primordio (Casa dos artistas). e eu apoio, Talita e rafael em 2 dias ja formaram casal, e se percebe que não tem amor nem nada, é simples jogo, o jogo que vc não gosta em RS.

    RS é um programa de TV, ali ninguem mostra sua personalidade, todos se fazem, principalmente os RS de agora, que a maioria que se candidata ja sabem os macetes para irem mais longe no Programa..

    Formar casal é a coisa mais simples para ir mais longe, pq a grande parte das adolescentes que acompanham assistem o RS apenas para ver e apoiar isso. não se importam com o comportamento dos Participantes, apenas se eles transam, e beijam na boca, e fazem cenas pra Câmera.

    A talita disse que transou sem camisinha com a maior cara lavada e ainda dando risada, e quando vc vai ver as opiniões do publico, as "crianças" no Twitter estão brincando e se deliciando com o que ela disse, como se ela fosse uma heroina por transa sem camisinha.

    As tal caprichete, procuravam um casal antes de começa o RS, antes dessa edição 15 ir ao ar, ja tinha meninas juntando casais que nem vieram a se forma.

    É por isso do Routulo caprichete, para essas crianças, não importam o comportamento dos candidatos ao prêmio, mas sim se fizeram todo o roteiro de beija, transa, e fazer cenas pra camera.





    ResponderExcluir
  3. Bbb é programa de gente grande. Besteira à parte, Talita não é mãe de molecada no Twitter e tem o direito de viver sua vida como bem entende. No mais, detesto caprichetes tb. Vc repara que é dessa forma que a torcida se porta quando é apenas uma parte do casal que ancora a preferência em vez de compartilhar. Aí fica claro que é só torcida por formar parzinho em si pra dar ibope pro favorito em vez de torcida pra um encontro real entre duas pessoas boas ou interessantes.

    ResponderExcluir
  4. Acho que esse BBB, já está virando o 14 só que mais cedo, não sinto simpatia por nenhum participante, sinto sim antipatia e estou cada vez mais abandonando o ppv, ao ouvir os diálogos a vontade de trocar de canal e ver um filme é cada vez mais constante. Acho que só tem cobra lá dentro e todos, TODOS estão jogando pesado e sem escrúpulos, não senti verdade em nenhum participante.

    Vejo todos como vilões, quem vencer deve ser o menos pior, ou talvez o mais!

    ResponderExcluir

Regras para comentários: http://votalhada.blogspot.com.br/p/comentarios-regras.html