09 outubro 2014

Master Chef Brasil com Aninha Albuquerque
Cozinhando pra casamento, mãos na massa
e salve-se quem puder!


Cozinhando pra casamento,
mãos na massa e salve-se quem puder!

Nó! Mais uma correria! No programa dessa Terça-feira, 7 de Outubro, o povo teve a tarefa de responsa de cozinhar pra festa de um casamento. E tinha que sair tudo direitinho, porque como sabemos, convidado a-do-ra fazer carinha fófi durante a cerimônia, dizer que está amando a festa, e depois sair falando um monte! Hahaha... Na maioria dos casos sabemos que rola isso mesmo, né não? Agora, quer prato mais cheio do que uma festa falha, cheia de erros? Pois é, hard, hard task!
Grupos divididos, escolhidos por quem ficou com a vantagem na última semana, e óóóóh!! O "sobrante", vulgo último a ser escolhido foi quem decidiu a proteína a ser preparada pelo grupos, incluindo o grupo para o qual foi designado. Grupo azul ficou com salmão, grupo vermelho teve que aceitar o filet mignon...

Mais uma vez, tocou o samba do criolo doido. Assim, acho que o grupo do Flávio (azul) foi realmente mais organizado. Mas nem tanto... faltou o que sempre falta desde o início, que é ordem, foco e decisões rápidas. O grupo do Estéfano ... minha nossa... nem sei o que dizer! Mais até pela falta de liderança do gurí. Estava perdidinho, tentando impor respeito mas muito inseguro pra passar confiança à equipe. Ai que aflição estava dando ver o guri se espalhando pela cozinha, não conseguindo mandar nem desmandar!
Rolou bastante improviso, bagunça, falta de planejamento... e os chefs-jurados acabaram tendo que ajudar. Teve hora em que mais atrapalharam do que qualquer outra coisa, acho eu. Uma falação, um voluuuume, uma bagunça que nenhuma cozinha merece, fala sério.

Acabou a cerimônia, acabou o tempo, e lá se foram os pratos para o salão. Ai, preciso comentar uma coisinha, vá... Achei meio forçadinho aquele convidado mostrando o prato e reclamando para o chef-pitbull Fogaça. Óbvio que o prato estava uma calamidade, mas pra mim ficou também óbvio que o convidado fez caras e bocas porque estava no programa, ou estava no script, sei lá... Só sei que soou e pareceu um tanto fake... Posso estar errada, claro.
Bom, no final das contas, o inseguro grupo azul acabou levando a melhor com seus pratos. Numa pegadinha, digamos assim, o grupo perdedor teve que eleger o melhor do grupo, e o vencedor também escolheu um participante como o pior. Flávio assumiu a culpa pelo grupo não ter ido melhor. Estéfano elegeu Lúcio como o mais competente na prova, e assim, o fófi se juntou ao grupo da esposa Helena, de quem havia sido separado novamente. Ficou um pouco isolado no "camarote", assistindo a prova de longe, meio "amuadinho", como diria minha mamma... Enquanto Flávio se sacrificava pelo grupo, o povo do terraço comentava o suposto harakiri do moçoilo... Brava atitude, tem postura.

Entra em cena o chef Salvatore Loi, um fera das massas. Ensinou a fazer uma massa do zero, a preparar um recheio de ricota bem delicado, um molho bacanérrimo e sutil... Cozinheiros, pernas pra que te quero! (Quem inventou essa expressão, hein?! Se repetir várias vezes faz menos sentido ainda!) Os competidores poderiam escolher o recheio que fariam, igual ao do chef italiano ou não, mas teriam que reproduzir a massa. O afobamento de sempre para pegar ingredientes, e corre pras bancadas! Logo de cara ficou óbvio quem estava ou não à vontade com a perspectiva de fazer uma massa, e Bianca aparentava segurança, moça de família italiana que é. Outros pareciam que iam mesmo se dar mal, mas acabaram não dando o vexame que acreditavam, como o Estéfano, que achava que a massa não estava no ponto e recebeu uma diquiinha do Salvatore. Simpático demais esse chef! Na dele, tranquilão, sem pose, paciente... Curtí mesmo! Isabella também recebeu uma ajudinha para saber o ponto da massa, mas não estava confiante, acabou metendo os pés pelas mãos...
"E lá vai Mohamad, descendo a ladeira do Master Chef Brasil! "Taca-le" pau nessa massa menino maluquinho! "Taca-le" pau! Lá vai Mohamad véio..." ladeira abaixo... ficou entre os piores. Bianca venceu a prova, e não duvido nada que o prato dela estivesse muito bom. A aparência estava bonita, e a escolha de ingredientes me pareceu muito boa também. Bacana a reação dela ao ser escolhida como vencedora. Olha lá... a moça rebelde do começo está se mostrando mais centrada, mais focada, e competente! Vamos ver se continua assim, torçamos pra que sim... é bom ver paixão e esforço, melhoria e desenvolvimento, ainda mais quando o assunto é cozinha. :)
Agora, gente... preciso comentar isso ... AAAFFF... que que foi aquele comercial ??? Baita spoiler!! Como é que os caras me colocam uma chamada pro próximo programa, ANTES da eliminação, e já mostrar o candidato que não foi eleiminado?? Como assim?? Bem, pra quem estava assistindo, se borraram, né?? La Madonna!Nem precisou voltar dos comerciais, já viram que o Mohamad tinha permanecido no Master Chef Brasil a despeito daquela massa que ele fez...

E lá se vai mais uma semana. Passa rapidinho né? Eu queria mesmo é que rolasse uma evolução mais nítida, mais forte, por parte dos competidores. Acho que está havendo uma certa falha nas escolhas das provas, sei lá... Pode ser que ainda esteja mais pro começo, mas não vejo provas onde os caras possam realmente mostrar capacidade, mostrar serviço. Pode ser que eu seja um tantim cri-cri... Mas, assim, a gente que está acostumado a ver as competições das edições internacionais fica se perguntando quando é que o nível vai melhorar. Não que esteja ruim, isso não! Mas pode, e deve melhorar, porque a gente tem muito talento por aqui, talentos de sobra, aliás. Basta valorizar, saber conduzir, dar a oportunidade certa.
Vamos aguardar a próxima semana.
Beijinhos e até já! ;)

-Aninha



0 comentários:

Postar um comentário

Regras para comentários: http://votalhada.blogspot.com.br/p/comentarios-regras.html