18 março 2013

OPINIÃO: Nádia Glinardello


As opiniões emitidas nesta coluna são de responsabilidade exclusiva
do autor das mesmas e não expressam necessariamente as do Votalhada.

Texto recebido de Nádia Glinardelo
17/03/2013

Minha contribuição na análise do BBB... Enquanto Vida.

Meus amigos, entrei um tiquinho só mesmo para fazer um comentário sobre o BBB 13, ou melhor, sobre o que, modestamente, observo da vida.

Lembro que, em meu primeiro vestibular, no qual fui aprovada para arquitetura (ao final, nem quis cursar) o tema da redação era alguma coisa sobre a comparação da vida com um jogo. E, lá se vão algumas décadas.

Em 2005 e 2006, num dos cursos, da UERJ, tive discussões pedagógicas profundas e maravilhosas, com uma professora, sobre a correlação psicossocial que via (e vejo) entre o Big Brother e a vida nossa do dia a dia.

Pois bem, o BBB 2012 solidificou essa minha opinião. Logo no início, tivemos o polêmico caso do participante que, supostamente, estuprara a colega de confinamento e, sem provas, o único candidato negro foi condenado a sair do programa. Aparentemente, a solução foi considerada correta mesmo depois da própria “pseudo-estuprada” dizer que nada havia ocorrido sem o seu consentimento. O candidato não voltou... Nem em 2012, nem em 2013, quando voltaram 6 ex-bbbs. Quanto ao programa, foi um dos mais fracos, tendo permanecido na trama do sexo durante toda a sua duração, sendo dito (pelos próprios personagens) que um casal fez sexo, “quase todos os dias” durante sua permanência e sobrevivência aos paredões. Dentre os 16 jogadores, 9 deles eram totalmente competitivos, dos quais, um voltou no BBB 13.

Entra, portanto, o tema do qual quero falar. A competição, que no BBB 13 foi (está sendo) muito superior e mais bem elaborada do que ocorreu no 11º e no 12º programas, exceto, talvez, pela campeã do 11º, sendo que sua estratégia foi imatura e apelativa. Mas, surtiu o efeito desejado: ganhou o prêmio milionário.
O que tivemos, portanto, no BBB 13? 16 candidatos fortemente competitivos, dentre os quais, os menos maliciosos, na arte de manipular o jogo, foram os veteranos. Talvez, por já entrarem se sentindo muito admirados por terem sido votados para o retorno.

Esqueceram a vida real. Esqueceram de que quem vota está “comprando a verdade de alguém” e que teriam de “vender essa verdade” em todos os dias do jogo. Nem tentaram... e, dois deles já começaram saindo.

O melhor jogador dentre eles (nessa edição) saiu após voltar de alguns paredões e se considerar vencedor... Perdeu; como diz o apresentador do programa. Mas, perdeu bonito. Mostrou que cresceu como ser humano e como jogador (com o mérito de ter jogado “limpo”). Mas, o que significaria jogar sujo?

Trata-se, de fato, de um jogo. O prêmio é altíssimo e pode mudar a vida de qualquer pessoa, tanto pelo valor financeiro, como pela exposição na mídia, que, por sua vez, amplia o valor recebido, através de contratos de venda da imagem. Aliás, a imagem é o que os votantes compram. Portanto, que produtos a sociedade está preferindo? Que tipo de jogo está premiando?
Ser (ou não ser) verdadeiro (lembremo-nos de que todos os candidatos, por várias vezes, disseram “eu sou verdadeiro”)? Trair o colega de confinamento dizendo que não votará nele, e, dentro do confessionário, votar? Disfarçadamente, focar e enfocar repetidas vezes algum erro do colega? Formar casal como mecanismo de defesa e duplicação das chances de não ser votado? “Esquecer” das câmeras e mostrar partes íntimas do corpo? Sensualizar? Forçar discussões para mostrar que os “destemperados” não sabem viver em grupo? Chorar? Jogar uma pessoa contra a outra? Roubar comida? Demonstrar falsa amizade por todos? Sacanear alguém e, “humildemente” pedir desculpas? Influenciar nas votações dos seus “melhores amigos da casa”? Tentar fraudar nas competições? Ser uma fraude?

Infelizmente, acredito que todas as respostas anteriores são verdadeiras. Não é eleição política, mas o que aconteceu no BBB 13 pode ser observado durante as eleições. Muita mentira, muita armação e muita manipulação. Ganha o mais esperto, o jogador menos escrupuloso e que mais sabe jogar com as diferentes formas de “venda da própria imagem”.

Em treze programas, quase a metade (BBBs 1, 4, 5, 6, 8 e 12) nos trouxe predomínio de virtudes, em vez de defeitos. Isto retoma parte das tais discussões acadêmicas de que falei acima.
Porque será que o confinamento de 16 pessoas por 3 meses, com toda a regalia, segurança, música e normas pré-fixadas faz aflorar tanta perversão (no sentido de desvio comportamental)? Até que ponto o ser humano se motiva na maldade ou a premia? Quais são os nossos recalques, carências, frustrações, desejos e valores mais íntimos? O que há de pior e de melhor em cada homem e, no ser humano em geral? E, consequentemente, que sociedade está sendo formada por nós?

A resposta é óbvia. Todos a conhecemos.

Por fim restam 5 candidatos finalistas no BBB 13. Analisando, nenhum deles é virtuoso, no sentido original do termo. Três são – “nada claramente” – excelentes jogadores. Infelizmente, são péssimos indicativos do caminho escolhido pelo homem diante do jogo da vida.

Nádia Glinardello
nadrique@gmail.com


Escreve bem e deseja participar desta coluna OPINIÃO? 
http://votalhada.blogspot.com.br/2012/08/opiniao-colaboracao.html


12 comentários:

  1. Me desculpe... mas é pracabá com essa visão maniqueísta + enredo de novela.... mas infelizmente não teria como ser diferente? Afinal somos o país das novelas e o BBB é produzido pela emissora das novelas!

    Essa necessidade de acharmos vilões e mocinhos, de fazermos "justiça" dentro do BBB me cansa, e muito. Em alguns outros país aonde acontece o Big Brother (e suas variações de nome), a mentalidade do público que assiste é diferente. Eles tem o discernimento de saber que o caráter deles não está em jogo por conta das escolhas que fazem sobre um Reality Show. Eles sabem que aquilo ali é apenas entretenimento. Não usam este tipo de programa com parâmetro para coisas mais séries como eleições.

    Só pra citar, em alguns destes países ganha o BBB o jogador mais chato, o mais FDP, por vezes tb o maior estrategista.

    Este BBB foi ótimo pq quebrou alguns paradigmas e principalmente acabou com aquela palhaçada recorrente em quase todos (ou todos?) os BBBs: essa polarização entre 2 grupos, aonde geralmente um era visto como o grupo do bem e o outro como o grupo do mal, muitas vezez com o próprio aval e ajuda das edições, como no BBB5 e BBB7.

    Que o BBB13 sirva de marco para que os próximos tragam mais mais mudanças dentro e fora da casa (elenco e torcedores)!

    Bom, isso é o que eu penso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá "grauhase" quando escrevi meu comentário ainda não tinha o seu. Deppis que li, estou repensando em alguns pontos como telespectadora e, concordo com vc, ficou bem melhor terminarem com aquela história de lado bonzinho e lado mau.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Vânia e Grauhase, muito obrigada pelos contatos e prazer em conhecê-los.

      Sinceramente, penso que toda discussão, quando respeitosa, acaba por nos levar à reflexão, e o repensar é fundamental para extrairmos o que de bom e produtivo existe em cada ideia, enriquecendo nossas estruturas com novos argumentos e fundamentações.

      Estamos de parabéns, já que utilizamos de forma adequada, aquela característica que - supostamente - diferencia o humano dos outros seres: a capacidade de usar a razão ou raciocínio diante de fatos e motivações diversas.

      Bjkonas e, tenham a certeza de que estou adorando nosso papo-cabeça.
      Nádia.

      Excluir
  2. Bom dia, Nádia!
    Parabéns pelo excelente texto. Entrei para verificar o resultado das enquetes e me deparo com esse texto que vai de encontro com o que estou pensando no momento. Sempre assisto a todas as edições, faço minhas escolhas de participantes, gosto de algumas coisas que vejo, assim como não gosto de outras, faço torcida para um e no outro dia já desgosto daquele participante e por aí vai. E acabo me pegando sempre comparando o programa a vida real. Ontem, depois de tudo que aconteceu no programa, me perguntei porque estava assistindo e fiz as minhas "análises", sempre comparando com a "vida aqui fora", principalmente, é claro, com a minha. Sinceramente, não gostei do resultado das minhas análises. Hoje não estou com vontade de assistir, mas fiquei curiosa pelas enquetes.
    Gostei muito do que li aqui. Mais uma vez, parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vânia e Grauhase, muito prazer em conhecê-los. Quanto aos nossos comentários, acho que é assim mesmo, a variedade de textos nos leva a diferentes formas de pensar e, só temos a ganhar com a reflexão.

      Nossas opiniões não são fixas, mas possuem diretrizes, que, nem sempre coincidem ou discordam por inteiro, desta ou daquela. Mas, estou convicta de que o diálogo é sempre possível.

      Muito obrigada a vocês por podermos fazer este contato.

      Bjkonas.

      Excluir
  3. Admin - Votalhada, não seria possível substituir o Frank Killer pela Nádia, o texto dela é magnifico, e o melhor de tudo é que ela é imparcial e não é dissimulada, e também tem o fato de que o FK já perdeu a credibilidade, eu nem aguento mais ler sequer o primeiro paragrafo dos textos dele, esse é o preço a se pagar por escrever oque quer sem responsabilidade, descredito, ou pelo menos oficializar a Nádia como comentarista do votalhada, seria muito bom pro Blog e para os leitores também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem Flávio?

      Tudo é uma questão de ponto de vista.
      Recebo diariamente críticas sobre o blog e quando se trata dos posts do FK, a grande maioria é elogiando.
      Nem sempre concordo com o que ele diz mas sempre entendo que a opinião é dele. E que agrega muitos visitantes por conta dos seus textos, isso ele agrega.
      Independente de gostar ou não, veja por você? Quantas vezes já debateu isso nos posts?
      Está fazendo você pensar, discordar, criticar, etc.
      Só por isso já está valendo.
      O que não me agrada eu deixo de lado e o que me acrescenta busco pra mim.

      Gostou do post da Nádia? Manda um elogio pra ela. Tenho certeza que vai gostar.
      Gosta e sabe te expressar escrevendo? Manda tua opinião sobre os prováveis finalistas...

      Abraço.

      Excluir
    2. Flavio Camargo, fiquei emocionada com sua colocação. Vou até pesquisar por aqui pelo votalhada para conhecer melhor, tanto você, quanto o Frank Killer.

      Mas, confesso que sou o tipo de pessoa que acha que o espaço é bem grande e dá para todos nós. Sou capaz de apostar que há textos excelentes por aqui e, como penso que é lendo que aprendemos a escrever, quero lhe agradecer, não só os elogios, mas, também, as dicas sobre outros escritos.

      Muito obrigada.
      E, muito prazer em conhecê-lo.
      Nádia.

      Excluir
    3. Tranquilo Nádia, não se preocupe em me agradecer, o mérito é seu não meu, eu não recomentaria sua efetivação com comentarista do Votalhada se você não merecesse, é claro que essa decisão não cabe a mim e sim ao Admin do Votalhada, mas eu conhecendo o trabalho deles, e como pessoas justas que são, o Luiz pelo menos era, sei que vão reconhecer a sua importância para o Blog, eu espero ver mais textos seus por aqui.

      Excluir
  4. Segundo informações da mídia é o último ano que o Boninho dirige o BBB. Espero, sinceramente, que seja verdade. Alias, ele já deveria ter saído desde o ano passado quando protegeu Fabiana e Laisa descaradamente.
    Boninho conseguiu transformar um jôgo “no sentido de competição” em um “jôgo de interesse próprio”. A opinião e a decisão do público que deveriam ser soberanas perderam a sua força para um Ditador que esqueceu que a sua função era dirigir e resolveu tomar posse. Boninho transformou participantes e público em marionetes que ele comanda conforme a sua vontade. E, embora sejam nítidas e incontestáveis as armações que ele faz para beneficiar os seus preferidos, nenhuma providência é tomada para expulsar esse Ditador do país chamado Big Brother. Para que não restem dúvidas sobre essas considerações, vale expor alguns fatos ocorridos no BBB13:
    - agora, as regras surgem após iniciada à competição e para beneficiar os preferidos da direção;
    - nos BBBs anteriores: as provas, paredões ou qualquer outro tipo de decisão em relação ao jôgo eram comunicadas previamente para o público;
    - no BBB 13, o público fica sabendo junto com os participantes, ou seja, se o público não sabe o que vai ocorrer antecipadamente, a produção pode beneficiar os seus protegidos da forma que bem entender. Foi assim na prova de perguntas e respostas para ganhar a liderança: as perguntas formuladas ao invés de serem escolhidas por sorteio eram feitas ao bel-prazer e escolha do apresentador. Destarte, era possível beneficiar o participante preferido da produção com perguntas mais fáceis e prejudicar os desprotegidos com perguntas mais capciosas. Nesta prova, a Kamilla foi a vencedora com a “dificílima pergunta”: - Quem é Edson Arantes do Nascimento?
    - nas provas em que os participantes ficam em cabines para apertar botão, a cabine de cada participante é escolhida pela produção e não aleatoriamente por cada participante;
    - na prova em que Nasser fez o menor tempo, mas Kamilla é que foi declarada líder, embora, imediatamente ao final da prova, toda a rede social tivesse apontado o erro cometido pela produção, esta não só ignorou como no dia seguinte, sem qualquer aviso prévio, inventou um paredão surpresa e fez a prova do anjo achando que, correndo contra o tempo, manteria a Kamilla na liderança. E, não fosse o clamor do público, a injustiça e tirania da direção teria conseguido atingir o seu objetivo;
    - Não há como negar a falcatrua: na prova do líder em que os participantes deveriam separar as sílabas, ficou claro que era uma prova dada de mão beijada para a Fernanda tornar-se líder, ela mesma após a prova admitiu que prova tinha sido feita para ela. Felizmente, a justiça tarda mas não falha e, para desespero do diretor, a Fernanda errou;
    - a edição do programa totalmente tendenciosa enaltece seus preferidos e achincalha aqueles que não caíram nas graças da direção. Exemplo disto, foram as edições feitas para a participante kamilla que, enquanto puderam, ocultaram os seus erros e mazelas tentando transformá-la em uma campeã. E, sob o pretexto de “troca de eliminados” chegaram ao cúmulo de eliminar o participante Marcelo, embora todas as enquetes de todos os sites apontassem a vitória de Marcelo sobre Kamilla.
    Assim, por estas e por outras, para o bem do público e felicidade geral da Nação Big Bhother, Impeachment no Diretor tirano!

    ResponderExcluir
  5. Uma placa para o Flávio Camargo! Assino embaixo. Principalmente na parte que não aguento ler nem o primeiro parágrafo!

    ResponderExcluir

Regras para comentários: http://votalhada.blogspot.com.br/p/comentarios-regras.html